Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Tristeza e/ou Quem Sabe, Talvez, Depressão – O Percurso da Mente

Tristeza

Nome Feminino.

Estado de quem sente insatisfação, mal-estar ou abatimento, por vezes, sem razão aparente; melancolia, angústia; inquietação.

Causa que provoca abatimento, estado depressivo ou nostalgia; pena; mágoa; aflição, consternação; saudade.

 

Depressão

Nome Feminino.

Estado mental caracterizado pela persistência de sintomas como apatia, desânimo, melancolia, cansaço e ansiedade.

Sentido Figurado – abatimento físico, intelectual ou moral; enfraquecimento.

 

A mente humana continua a ser um mistério cuja exploração prevalece incessante e por determinar. Ao longo de uma vida, não conseguimos descortinar os seus labirintos elaborados, mecanizados ou espontâneos, e o estudo numa espécie é um desafio obscuro, prolongado, interminável, repleto de incógnitas e becos sem saída. Quem se dá verdadeiramente a conhecer? Será que cada indivíduo se auto-analisa correcta e convenientemente? Porque se torna cada ser tão único e especial? A observação e a metodologia da experimentação científica traduzem a realidade observada? Ou que se deixa observar? A dificuldade está em aceitarmo-nos como sendo, mentalmente, bem diferentes uns dos outros, porque o esqueleto de base acaba por ser o mesmo, os órgãos serão os mesmos (a disposição, o tamanho, eventualmente, sofrerão moderadas variações), o funcionamento será expectavelmente estereotipado e comum. O limite estabelece-se no social e nas suas regras deterministas. A liberdade de valores acaba por ser questionável. A regra de ouro é a da pertença ao grupo. Ser discreto, não dar nas vistas, cumprir as rotinas, não quebrar padrões, ser aceite. A diferença não é propriamente um condimento social aprazível e conciliador. Pensamentos, ideias, projectos, sonhos só funcionam enquanto o social controlar o damage report e os danos colaterais. Assim, o extravasar da mente é condicionado e controlado. Nos casos extremos de descontrole, criam-se versões acondicionadas de reptos emocionais projectados em estados como a Tristeza e mais profusamente o descambar para estados de Depressão. Este último estado, bem mais repressivo e maníaco do que o primeiro é alimentado tempestiva e incessantemente, aproveitando as fragilidades emocionais prostradas e em observação, esquecendo o social de individualizar, contextualizar e enquadrar a história, o acontecimento, o comportamento vivenciado. Castramos as emoções, os sentimentos, as perdas, o negativo, o diferente. E somos conservadores nos nossos discursos, apesar de aos sete ventos apregoarmos empreendedorismo, inovação, criatividade, diferenciação, progresso e estímulo mental. Então, Tristeza é o mesmo que Depressão? Confundem-se? Complementam-se? São consequência? São sequência? São aceites? Sabemos lidar com ambas? Sabemos fazer coaching e mentoring emocional? Podemos e devemos fazê-lo? Standardizamos os estados e os espíritos? Observamos à distância? Queremos e sabemos intervir? Esperamos resultados? Queremos realmente mudar alguma coisa?

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub