Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Suspiros Desapegados

Desalentado nas emoções que vislumbrava, numa penumbra irreal e imutável, o figurante actor apartava a razoabilidade da sua personagem desconstruída e chegava-se à boca de cena, ladeando o grupo intruso que invadia um palco ainda majestoso, iluminado pelo tal candelabro centenário que, tantas outras vezes, presenciara sucessos massivos e falhanços memoráveis. O guião era alegremente deprimente, na alegoria perdida de uma caverna qualquer, e tinha o condão de o irritar solenemente, dada a tempestuosidade do autor, incutida no discurso introvertido e massacrante, a que, deve ser dito, adicionou, para cúmulo da desgraça fatal, espalhafato lacrimoso e demência transitória, numa profusa variação de humores terrenos insonsos e banais. Os suspiros são a concretização do suspense mórbido, na linha de fala fluida. Suspiro cadente, suspiro ausente, suspiro premente. O desapego à vida boémia extravasa nas salvas perdidas, algures numa qualquer outra dimensão exterior, interiorizada milhares de vezes, sem, no entanto, contabilização simétrica no mundo paralelo do conto de fadas forçado. Concentra-te. Eles aguardam. A actuação deve iniciar, mesmo cambaleante, insegura, duvidosa. A fala sai desconcertada. O corpo posiciona-se desfalecido. Falta convicção e determinação. Apaga. Começa de novo. O mesmo. Rotina cansativa e estupidificante. Fecha os olhos e sonha. Uma última vez. Os suspiros desapegados apegaram-se e deixaram de ser suspiros. A performance foi brilhante e surtiu o efeito pretendido, expectável. Ou não. Surpresa ou sorte. No mundo das artes performativas, há trabalho. Árduo. Muito. E, enfim, talvez, um pouco de sorte. A conquista da exigente audiência intimidatória foi concretizada com um sucesso avassalador e o aplauso ensurdecedor, apenas silenciado na mente, ainda incrédula, do figurante actor, revelador da potencialidade de um artista incógnito, esquecido numa qualquer viela de bairro esquadrinhado por fauna duvidosa e flora emblemática abafada, mas com exponenciais expectativas futuras comensuráveis de carreira no palco derradeiro, o palco da vida.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D