Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Ser Madeira (Histórias de Uma Outra Viagem) - Parte II

É uma incógnita, de variáveis bem instáveis e saber digno dos segredos da adivinhação, previsionar o boletim meteorológico. O sol espreita, a nuvem chega e tapa, o nevoeiro invade, a chuva miudinha e tímida deixa-se cair, os deuses brincam com os mortais. Na descida, acompanha-se a linha limite da freguesia e vê-se mais além, lá bem mais além. A igreja do século XVIII surge no horizonte imaculada e referencialmente bem posicionada. Voltamos a ver mar, serra, gentes, casas. Tudo, daqui, parece mais pequeno, mais minimalista, mais resguardado. Um quadro delicioso para o artista que vagueia no espaço ilhéu. E verde. Muito verde. E mais cheiros florais. E cheiros caseiros. Coze-se o pão. Está quente e acabadinho de sair do forno. E alguns cães pelo caminho. Ladram saudando ou repelindo? Não os tentemos compreender. Afinal, somos apenas humanos e os animais são seres especiais, divinos, vivem numa outra dimensão do nosso mundo. Calem-se. Conseguirão? Talvez nos queiram calar no seu silêncio surdo. Se os ignorarmos, desaparecem. Esquecem-nos e podemos prosseguir caminho. O Lombo do Cunha termina num cruzamento. A vida para os lados, a morte para a frente. Seguimos a vida e viramos à esquerda. Passamos na casa dos avós passados. Já antes, tínhamos roçado a esquina das ruínas dos antigos. Agora, nada resta. Só esqueletos de pedra transfigurados pela erosão do tempo e das intempéries. O fantasma espreita-nos da casa e diz-nos adeus e mata saudades de tempos idos. A reta é infindável. Curva lá mais à frente e perde-se. Os carros vão passando. Transportam consigo histórias e realidade. Nova perdição para o olhar. A freguesia estende-se na sua pequena imensidão no campo de visão que corrobora aquilo que já sabíamos, há mais aqui. Muito mais. Escondido. Viramos para a estrada paralela à Quinta do Bispo. A penumbra das frondosas árvores ensombra-nos o caminho. Mas, sabe bem. Resguarda-nos, ainda que por breves instantes, do sol rei que nos espreita e que nos quer aquecer demasiado espraiando os seus potentes raios. A Fonte do Bispo. Nova volta, à direita. E a igreja, de novo, ao fundo. Estamos quase a terminar. Aguarda-nos o corgo e uma última e derradeira visão do Porto Santo perdido entre brumas de mistério e sereias de perdição e cantos encantatórios. A derradeira subida aguarda-nos. É mesmo o fim. A chegada a porto seguro, ao ninho que nos protege e abriga, à casa que cuida de nós desde pequenos, aquele cantinho especial que nos traz à memória dos sentidos boas e ternurentas recordações. Porque o bom e o bonito e o lindo existe no mundo. Temos é de procurar e saber procurar ou, então, esperar que nos encontre. E há-de encontrar.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub