Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Ser Madeira (Histórias de Uma Outra Viagem) - Parte I

Levantar cedo, amanhecer o coração e a alma num quarto de tons quentes, aconchegante e protetor, sair para a rua, respirar o ar fresco e húmido da manhã e percorrer os caminhos da freguesia catapultam-nos para um estado de espírito zenístico e idílico que se traduz numa sensação de leveza e de paz interior. Música on e descemos a ruela vazia, a estrada ainda despida de gentes, com apenas alguns carros a quebrar o silêncio e a passarem esporadicamente. Sentimos os cheiros no ar, as flores imperam nas sensações e estamos a viajar numa paisagem única e deslumbrante. A primeira subida aproxima-se e desacelera-se o passo. É preciso controlar a respiração, porque a humidade apodera-se do corpo e envolve-nos num pesar estado de nostalgia e entrega concentrada e empenhada se queremos chegar ao cimo das alturas. Uvas americanas assombram-nos com odores que viajam na leve brisa que nos acaricia a face já ruborescida. O ritmo cardíaco eleva-se e a respiração torna-se mais ofegante. Terminamos o primeiro patamar. Retomamos a cadência e recuperamos, ainda que momentaneamente, as forças. Daqui, já temos uma vista mais abrangente de toda a freguesia e da cordilheira central e do mar. Mar azul. Lindo. Imenso. Ao longe, escondida pela bruma, a ilha do Porto Santo. Lá no cimo, bem acima das nuvens, o pico. O Ruivo. O mais alto. Um chão nivelado. Um momento breve de descanso imaginário. No espírito, funciona. E cantamos para dentro. Cantar ajuda. Abstrai-nos do mundo e apenas vivemos a surpresa do que nos rodeia. Um imenso bordado de sensações e cheiros imortalizados na tela da mente. Esquecemos angústias e medos. O plano do caminho terminou. Volta a ascensão. A subida íngreme, acentuada, sente-se no corpo. A humidade no ar volta a envolver-nos. Cansa-nos. Mas não desistimos. Ritmadamente, de novo, entregamo-nos à labuta da progressiva e crescente pseudo climbing. Novo final. A vista é soberba. Um vale aninhado na ribeira, nada de casas lá em baixo, e uma terra perdida num monte, carregado de casario e casarões, sinal da riqueza exteriorizada pelos nossos bravos emigrantes encaminhados governamentalmente para terras sul americanas, em busca do south american dream. Chegamos ao Pico. A estrada alcatroada (antigamente, era de pedra vulcânica, mas quis o progresso e o poder do dinheiro que se transformasse) é plana e rectilínea. Abre caminho por entre novo casario e casarões. Também aqui há emigrantes. Cumprimenta-se todos quantos agora começam a passar. É má educação não o fazer. O dia acordou. Atravessa-se novo sítio e regressa a descida providencial. O tempo vai mudando ao longo do percurso.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub