Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Seal

A ventania tempestuosa e gélida (inesperada, pelo menos, nesta altura do ano) não demoveu a multidão, que começou a preencher com o tom escarlate dos cachecóis distribuídos, o estádio, ponteando aqui e ali, movimentação anímica que adivinhava uma noite enérgica, musicalmente feliz e romântica e muito animada. Era o início de mais uma viagem etérea ao mundo do jazz cool e o público começava a integrar-se numa ambiência atmosférica envolvente e inebriante, compondo-se nas plateias e bancadas. Os HMB, uma banda portuguesa de Soul e R&B fizeram as honras da abertura e aqueceram ritmada e calientemente os corações, as almas e os corpos dançantes dos muitos que, entretanto, foram inaugurando com coros e coreografias improvisadas, o místico cenário que se ia construindo, em crescendo. Batidas contagiantes, boa onda, boa música, música com uma aura descontraída e padronizada, e o balançar cadenciado da banda e das vozes, em palco, contagiaram e conquistaram. Mas, a expectativa ia aumentando, à medida que se aproximava a entrada em cena do sempre misterioso e enigmático Seal. Os acordes soaram forte e a poderosa música, num crescer contínuo, invadiu os poros auditivos esfriados, arrebatadoramente. Ainda no escuro, o palco encheu-se de repente e a transição possante da noite para o dia, num cenário de design gráfico simples, singelo e eficaz, transporta-nos para longe, numa viagem pelo mundo dos sonhos. Seal é um show man cativante e electrizante. Ele é o espectáculo. Ele faz o espectáculo. Compreende-se, por isso, que a sua banda seja composta apenas por mais dois elementos, cuja discrição em palco, de todo abafa as suas talentosas, insinuantes e encantadoras performances musicais. Os momentos de dança de envolvência mágica, os momentos de romantismo a dois, os momentos de simplicidade acústica, as conversas com o público, sentidas, o envolvimento com o público, toda a concepção do espectáculo, bem como a sua condução demonstraram a entrega genuína de Seal aos seus ávidos ouvintes musicais. Ouviu-se clássicos e contemporâneos, slow music, soul music, heart music. Ouviu-se o que se queria ouvir. Escutou-se muito mais do que isso. Escutou-se mais além. Apenas um encore, mas valeu por dois ou três. Faltou “Secret”, mas, se calhar, o segredo é demasiado pessoal e pertence somente a cada um de nós, por isso, a imaginação cuidará dele noutras paragens musicais. A noite terminava, assim, mais quente do que começara e o público refiled e fortificado com musical happiness, abandonava o recinto, por certo, muito mais leve. Com a leveza de uma pluma elevada aos céus estrelados, numa noite mágica de luar.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub