Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Se Eu Fosse Eu (Histórias de Uma Vida Banal) - "Eu" (Parte II)

A máscara cobre-lhes a cara e são o que os outros querem que eles sejam. Sufocaram de agonia, numa batalha perdida por antecipação e que resolveram não prolongar, sem resistência, sem estratégia, sem plano de ação, sem controlo. A processualização funciona minunciosamente e permite uma adaptabilidade incondicional, sem arreios visíveis, sem contestação.

E ele ama, porque a ama. Porque a ama ele? Ela é o anjo perfeito, a princesa da sua vida, o doce na sua boca, o cheiro das flores primaveris. Colocou-a num pedestal e, no entanto, vai deixá-la cair, porque falha no mais importante. Não está segura. Falta-lhe tudo. Tudo. Está vazia. Ela, deusa da espontaneidade, da infantilidade, do sol iluminado, da cor e da inocência, da pureza e da brancura. Ela que se perdeu num cruzamento que, por alguma razão ainda desconhecida, lhe passou despercebido. Enganou-se e foi enganada. Como foi idiota. Como se expôs ao mundo e à vida. Como deu, deu, deu e nada recebeu. E agora, lamenta, mas quer tudo. Tudo a que tem direito. Egoísmo narcisista; o mix perfeito. E é assim que mudamos, que nos transformamos em algo que não somos nem queremos ser. Éramos bons e deixamos de o ser. E, simplesmente, passamos a ser más pessoas. Tudo o que havia de bom em nós, morreu, aniquilado, completamente arrasado pela compressão atómica do subtil disfarçado, mas castradora de uma sociedade decadente, mimada e consumista, cujos valores se perderam algures num tempo que passa sem passar no espírito empreendedor falhado.

E como pode lutar-lhe? Fugir-lhe? Ele parece mesmo apaixonado por esta fantasia surreal de princesa perfeita. Alguém a pode salvar? Alguém a quer salvar? Alguém quer mesmo salvar alguém? Só é preciso simplesmente que cuidem dela. Pouco pede. Ou pede demais. Mais que tudo. Ela, que era Ela há bem pouco tempo. E que o deixou de ser sem o perceber. Ela foi. Ela era. Ela seria. E se Ela puder ser finalmente? Ela sou Eu. Ponto final. Ou não.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub