Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Salarium Minimum

Continuam, algures neste continente europeu por unir, insistentemente, a menosprezar o trabalho de produção portuguesa. As regras europeias funcionam q.b., mas, normalmente, só num sentido. Este sentido tem subjacentes interesses financeiros muito concretos e que são por demais sobejamente reconhecidos do pobre público que sofre de iliteracia financeiro-económico-bancária, porque, apesar, do cash investido inteligentíssimamente por “lobos de Wall Street” ou da City ou brokers asiáticos ou offshoreados tuguenses, cheios de boas intenções e inocentes ignorantes nesta temática, ser do pobre público, o retorno real efectivo é nulo ou negativo e, na grande maioria das vezes, caótico; na realidade, a bem ver, a Risk Management comporta isso mesmo, Risco, e ele é relativamente grande e predominantemente existente, mas invisível e pouco transparente aos olhos dos leigos believers. Assim, e apesar dos esforços constantes quer dos nossos Image Managers outside, quer de todas as dinâmicas (im)produtivas de Public Relations e Vistos Gold, o trabalho de produção portuguesa continua ingloriosamente com posicionamento defeituoso e contextualização duvidosa, daí que, obviamente, a sua remuneração seja bastante deficitária, controlada e comedida, até porque alguém precisa de mão-de-obra barata para que a hierarquização laboral europeia premeie o tal sentido único de progressão que se quer cristalizada no espaço único temporal circundado dentro de certas e determinadas fronteiras que existem, mas não são objectivamente observáveis. Pois, então, culpe-se a falta de produtividade, eficiência e eficácia da produção portuguesa. É certo que no meio deste mercado laboral complexamente simplista existe quem sobreviva e vingue, espante-se, no entanto, os Case Studies são remissivamente geridos por forma a que a mediatização da informação alcance nichos comprometidos em calibrar os factores de sucesso que determinam a integração num grupo restritivo de intervenientes aprovados. Depois, há a questão de que nem todos podem ter poder, porque o poder descontrolado é perigoso e ameaçador. Convém, por isso, criar restrições factuais para que tenhamos em países que se querem todos iguais, salários tão diferentes e diferenciados.

As questões que se colocam são: será a Europa, algum dia, verdadeiramente igual e igualitária em género e social, cultural, ambiental, económica e financeiramente? E teremos Salarium Minimum que se adeque europeísta e nacionalmente?

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub