Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Registos de Solidão

Quando nascemos, a alegria que invade o nosso pequeno mundo, o da nossa família, é inebriante e indescritível. É o renovar do ciclo, a potenciação da descendência, a esperança no futuro. Parece que os corações se abrem, cantam mais alto, a alma expande e o corpo entra numa dança vertiginosa de prazenteiro êxtase. Uma nova vida. Agraciados fomos com uma nova vida. E essa vida desenvolve-se, cresce, amadurece, reproduz-se e envelhece. O ciclo da vida fecha-se. Está completo. E agora? Ficámos sozinhos. O amor da nossa vida já partiu. Deixou-nos tristes e amargurados. Os nossos filhos foram às suas vidas. Também eles têm uma família e não queremos sobrecarregá-los. Vivemos cada dia como se fosse o último, porque pode bem sê-lo. Suspiramos por dias melhores, com companhia, sem dor e com amor. As visitas semanais de fim-de-semana sabem a pouco e a alma está vazia. Já não nos lembramos bem do mundo, das coisas. Não compreendemos o que nos rodeia, nem o que vemos na televisão. E insistem em distrair-nos com a televisão. Nem as conversas diárias de circunstância nos fazem esquecer que o tempo passou. Passou muito depressa. Depressa demais. As novas tecnologias são um quebra-cabeças e perdemos a nossa autonomia, a nossa independência. Estamos, na realidade, totalmente dependentes de terceiros, de estranhos, de cuidadores que supostamente zelam pelo nosso bem-estar, qualidade de vida e felicidade. E há os que gostam verdadeiramente do que fazem e os que precisam de um trabalho. Queremos acreditar que é o melhor para nós. Que todos fazem o melhor que podem e conseguem. Que já não somos um fardo para a nossa família. Acho que agora gostaria de me juntar ao meu amor. De encontrar a paz. De encontrar serenidade. A vida, por aqui, neste mundo de loucos, perdeu a graça. O amanhã já não é uma aventura e a esperança está morta. Mais um dia. Que conte mais um dia. Mas, só mais um. Depois, logo se vê.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub