Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Para a Minha Avó

Faz hoje um ano que te perdi, Avó. Tenho muitas saudades tuas. O mundo ficou mais cinzento sem ti. A vida perdeu o seu encanto sem a tua alegria, a tua cor. Lembro-me melhor de ti quando ouço alguém a cantar. Tu adoravas cantar. Até no fim, a música foi tua companheira. Fui a última a ver-te. Respiravas com dificuldade, num corpo vivo, mas há muito morto. Acompanhei-te na tua doença sofrida e triste e, apesar de me dizerem que a Alzheimer te tinha levado para muito longe, acredito que nos últimos dias me reconheceste. Sempre que me vias, a tua cara iluminava-se num sorriso rasgado, doce e terno. Olá! Olha a minha pequena!, dirias tu. Foste muito importante para mim. A minha vida enriqueceu e tornei-me uma pessoa melhor. Não consigo esquecer o último momento em que te vi. Deitada na cama do hospital, nas urgências. Um corpo ainda quente, mas já sem vida. Foi muito intenso. E chorei. Não consigo esquecer o quanto o meu coração entristeceu, também morreu um bocadinho de mim e aquela dor de que se fala tanto, é mesmo real. É aguda e muito dolorosa. Quero crer que estás mesmo num lugar bem melhor. Num lugar onde todos são felizes e encontram a sua paz. Porque, na realidade, é isso que buscamos, paz. Sei que estarás sempre comigo, em cada história, em cada música, em cada acção, em cada atitude, em cada comportamento, em cada vivência, em cada experiência, porque a tua vida foi preenchida e cheia e deixaste-a crescer em mim. Deste muito a quem não tinha e cuidavas para que todos se sentissem amados. Adoravas beijar e abraçar. O contacto com as pessoas era um traço característico teu. Lembro-me dos cuidados à tua mãe, minha bisavó. Penteavas-lhe o longo cabelo grisalho com muito carinho. Cuidaste dela até ao fim. Guardo essa imagem com muita ternura no meu coração. Eras muito forte. Uma força da natureza. Noventa anos de energia positiva e beleza interior. Vejo muita coisa de ti em mim e nas minhas filhas. Acredito que o melhor de ti passou para o nosso coração, a nossa mente e a nossa alma. Acredito que a tua memória viverá para sempre, desde que te lembremos. E eu lembro-te. Todos os dias. Hoje, vou ao mar deitar a tua rosa vermelha. A tua essência está lá. No mar. Nas ondas. Nos calhaus. E para todo o sempre, em contínua renovação, o ciclo das marés a recordará e a fará renascer numa dança bela que a água pura e cristalina teimará em festejar com um sorriso, esquecendo o corpo gasto pelo tempo e pelas agruras da vida. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D