Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Óscares, Eurovisão e Tempestades

Este foi um fim-de-semana em cheio para o Cinema, a Música, for all the right reasons e o Tempo, for all the wrong reasons. Os óscares comemoraram o seu 90’gésimo aniversário, num sem fim de desentropias hollywoodescas vibrantes e sempre surpreendentes, desfiles imortais e glamorosos de vedetas prima donna e estrelas em ascensão, envolvência contagiante, sonho e fantasia quase surreais. Entre escândalos, assédios e afins, o mundo do cinema esteve in its best way, lembrando que está very much alive e de boa sáude. Foi pois, sem grandes surpresas, que os previsíveis vencedores discursaram, agradeceram e prometeram fazer ainda mais e melhor, em defesa da Sétima Arte. Nada de substancialmente novo, por isso. Ainda assim, a magia das estrelas continua a contagiar milhões de fãs em delírio, um pouco por todo o mundo. O Festival da Eurovisão, pela primeira vez em Portugal, relembrou aos mais cépticos que ainda temos muita e boa música original para premiar e dar a conhecer. Um bom espectáculo media, com um impressionante e bem conseguido início, boas connections entre apresentações, sequência temporizada q.b., alegria, cor e movimento, mas, acima de tudo, a paixão global e universal que nos liga a todos à música. Letras cuidadas, partitura denotando influências de ritmos diferenciados, vozes inesperadas e peculiares. “O Jardim” foi um justo vencedor, pela beleza imperfeita e doce da voz da Cláudia Pascoal e pelo sentimento profundo e verdadeiro da letra da Isaura. Mas, se estas são all the right reasons do fim-de-semana, também temos as all the wrong reasons do tempo. E este, não deu tréguas, um pouco por todo o lado, e em especial por terras algarvias. Tornados, ciclones, tufões, furacões, granizo, verdadeiros vendavais, agitação marítima, whatever, a verdade é que este tipo de fenómenos começa a ser recorrente e, cada vez mais, imprevisível e deveras assustador. A provar este facto, os acontecimentos do último fim-de-semana. Sem pena da incontornável fragilidade humana, a natureza insiste e persiste em destruir recursos básicos e ceifar vidas, num alerta permanente ao nosso bom senso e sensibilidade, lembrando a humanidade das suas múltiplas “avarias” insensatas e contínuas contra a Terra e a sua fauna e flora, em última análise, contra a própria espécie humana, por demais auto-destrutiva. Não se perspectiva, por isso, grande futuro climático e as mudanças radicais serão, sem dúvida alguma, uma realidade em construção e em permanência real no quotidiano. Resta-nos repensar as coisas que fazemos menos bem e fortalecer as que fazemos muito bem. A criatividade humana não tem limites e há que jogar com o que temos e o que podemos, em todos os quadrantes existenciais.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub