Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Os Jogos Olímpicos Portugueses

O trabalho árduo de quatro intensos anos de treino remete para um resultado final esperançoso e positivo, não necessariamente com medalhas associadas. É esta a nossa realidade. A competição e a concorrência são aguerridas e, apesar do esforço, da luta, da força de vontade e da resiliência, a estratégia, o corpo, a sorte, o mundo, por vezes, não sorri e ilumina. Tudo se concentra naquele precioso momento, naquele ponto sem retorno, controlado por uma meta, em que se canaliza o melhor de nós, em que aflui a energia de uma vida para ultrapassar obstáculos, adversidades, adversários, estrelas. A preparação é sempre restritiva. O tempo nunca existe. Os apoios, muito menos. Os recursos são escassos. Mesmo assim, operam-se maravilhas e uma nação inteira concentra-se num grupo extraordinário de atletas que nos representa, com alma e coração, com energia e persistência e muita auto-motivação, numa demanda, frequentemente, inglória e mal entendida. Numa observação leiga, falta-nos talvez, tal como muitas vezes, no desporto rei, concretização e essa concretização pauta-se, com sobremaneira reiteração, pela falta de resistência nos metros finais ou na finalização propriamente dita das provas. A consistência, ao longo das mesmas é fundamental, mas os resultados são alcançados precisamente no very ending e é aí que, aparentemente, falhamos. Aquele impulso miraculoso necessário à conclusão eficaz e eficiente, é imperativo para derrubar a barreira rival. Talvez o treino tenha de ser mais ajustado à realidade dos resultados das estrelas campeãs, talvez mais incentivos, meios e recursos sejam necessários, talvez a nossa postura competitiva e a nossa filosofia desportiva tenha de sofrer alguma mudança mais radical, talvez. A realidade é uma. Neste momento, somos detentores de apenas uma medalha de bronze com um grupo de atletas cujo potencial físico e competitivo poderia ser aparentemente exponencializado, mais trabalhado, mais direccionado, mais focalizado, mais concretizado. Falta descobrir a fórmula para o sucesso. O nosso sucesso. A fórmula campeã. A fórmula que faz ganhar medalhas e conquistar o pódio. Já crescemos muito. Temos de crescer mais. E apoiar mais, também.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub