Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Os Incêndios do Inferno

E os infernos desceram à terra, sob a forma de tempestades cíclicas imprevisíveis, ardentes no ofuscar linear, arrepiantes e abruptamente incontroláveis. A natureza zangou-se irremediavelmente com o homem comum, com a sociedade cega, com a comunidade inconstante, numa dialéctica assustadora de insolvência abrasiva e desconcertante que amarga a cada novo passo, a cada novo movimento descoordenado. E a descoordenação impera entre os homens perdidos de desespero, cansados da fumaça, desmotivados na inexistente e apaziguada resiliência dos condados ferozes dos deuses do fogo. Sobrevive-se como se pode. Apaga-se como se não houvesse amanhã. Observa-se o espectáculo dantesco, num cenário surreal que virou realidade com a frequência sazonal dos trinados do estio. Impotência. Falta de meios. Falta de tudo. Secura temperada, desmedida, no alvoroço massivo dos descampados tapados por arbustos, sebes, arvoredo de porte e clareiras brandas de palhal feitas. As casas foram arrasadas. As vidas destroçadas. Cozinha-se em forno bem quente, o futuro incerto das gentes. Sofre-se a dor da perda física, da perda material, dos anos de trabalho árduo e duro, das poupanças ofuscadas pelas ventanias escaldantes da perdição. Alheadas às agruras dos homens, as águas apartam-se para longe, evaporam, escapulem-se, escasseiam. As gentes juntam-se. Esquecem diferendos. Empunham as armas no combate desigual. Não adormecem. Não podem. A porta está ainda aberta para o inesperado, para a surpresa. Há que proteger e salvar vidas. Combate-se heroicamente. Combate-se com esperança. Na cegueira desiluminada que a cinza enche, no respirar irrespirável que consome a alma, compromete-se ainda e sempre o destino toldado que, numa reviravolta mutacional, espera-se, irá cadenciar e rotinar, uma vez mais, emoções e comportamentos humanos que extravasem a desregrada e inesperada natureza madrasta.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub