Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Os Dias Tristes

Hoje, é um dia triste. Mais um. É que, cada vez mais, infelizmente, os há, com uma frequência que nos faz pensar seriamente no nosso propósito comum, enquanto espécie humana. Mas o que é que andamos Todos aqui a fazer? É sempre bom relembrar que, um pouco por todo o mundo estão, neste preciso momento, a morrer milhares de seres humanos inocentes, cuja única culpa é estarem no sítio errado, à hora errada, na cidade errada, no país errado ou serem apanhados entre guerras milenares que opõe raças, credos, etnias e minorias ou, simplesmente, serem o escudo de batalhas políticas que anseiam pela conquista de poder desenfreado, bélico ou não, e que procuram a qualquer preço concentrar e controlar monopolisticamente os recursos naturais, militares, económicos e financeiros do planeta. Enquanto espécie, limitamo-nos a absorver as imagens, ter compaixão momentânea por quem está a sofrer e assistimos impotentes aos dramas existenciais dos outros. A distância ajuda a esquecer. E queremos esquecer, porque o sofrimento atroz não faz parte da nossa rotina quotidiana. E não queremos acreditar que seres humanos cometam atrocidades tão brutais contra outros seres humanos. Isso quebra toda a lógica existencial e racional que move as interacções sociais humanas. E choramos. E seguimos em frente, porque, na realidade, naquele momento, nada podemos fazer para apaziguar o sofrimento dos outros. Pelo menos, dos que estão longe. Somos passivos perante estes cenários surreais e desenquadrados da nossa realidade, porque queremos recusar a possibilidade sequer da sua existência. É tentador crer que há esperança numa solução comum e feliz. É tentador crer que, um dia, talvez estejamos todos mais unidos. É tentador crer que, um dia, teremos visões e objectivos mais consensuais e que o futuro será, talvez, quem sabe, um pouco melhor e menos sangrento.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub