Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Os Cheiros dos Outros

Os cheiros dos outros são os nossos cheiros. As nossas próprias realidades e vivências olfactivas. Os cheiros reais que nós sentimos nos outros. As nossas experiências olfactivas transcendem e transpõem-se vibrantes nos outros seres em movimento que, alheados de pensamentos que se concentram em insignificâncias cabalísticas, se abstraem da nossa teorização exteriorizada e pragmática. Os cheiros variam consoante o contexto, o cenário ou a envolvente que trilhamos. Os humores também variam invariavelmente. O nosso estado de espírito canaliza para o momento olfactivo as suas mutabilidades probabilísticas e preconiza todo um empirismo sensorial que eleva os sentidos e insta a estimulação neural. A sensação perfumada do nosso mundo de olfactos experimentais passa a fronteira do desconhecido e revela-se nos outros. Queremos inebriar-nos com aqueles cheiros únicos, do nosso passado, da nossa infância, da nossa vida em turbilhão, nos outros. Então, a que cheiram os outros? Não podem cheirar só a nós. Essa máxima é inviável. Os outros têm mesmo de cheirar a si. Cheiros só deles. Únicos e exclusivos. Porque a nossa essência corporal diverge e viaja por estados sequenciais diferenciais que enchem o ar de odores que rotinam as nossas costumeiras sendas imateriais e que são só de cada um. Há-os desiguais. Consternadamente, desiguais. O cheiro de cada um é característico e, portanto, impassível de troca. Talvez seja passível de vicissitude destoante e ponderada, mas não perpetuável na irrisória insignificância do tempo e do espaço ausente. Os cheiros existem. Se mudam ou não, se os conseguimos mudar ou não, são pressupostos feitos de suposição e potencial exinanir. Apenas temos de os aceitar como fazendo parte de um todo partido, feito de mil e um bocadinhos que cheiram daqui e dali, a alguma coisa ou coisa alguma. Inspiremos, por isso, o que nos rodeia e deliciemo-nos com o que os cheiros dos outros nos têm para dar.  

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub