Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

OE 2017

A maquinal propagação do histerismo político desenfreado empola, invariavelmente, nestas épocas outonais, a mistificação de um documento previsional de receitas e despesas que concebe, normalmente, a morte anunciada de todas as projecções governamentais ambicionadas e prometidas. Os ajustes recorrentes são consequência natural da variabilidade conjuntural e contextual. As estratégias, cujos estratagemas afunilados se convertem em observação mais ou menos imparcial, mais ou menos concreta, da objectivação primitiva providencial e imperativa, revertem a substância essencial à prossecução das políticas orçamentais consensuais, reiteradamente expansivas nas suas coligações lateralizadas e nos danos colaterais controlados. Discussões inglórias e pouco produtivas, eficazes ou eficientes, decorrem numa falsa apaziguidade congénita e redundante, mas politicamente correcta. As anuências e as vicissitudes extrapolam o melhor e o menos bom das ideologias partidárias, numa vã tentativa de missão utópica em busca da salvação do país. A comunicação sã, educativa e pedagógica é de louvar, sempre que é passível de existência consistente, mas, na realidade, pouca relevância configura na sua factual concretização. Assim, horas a fio de entediante, mas necessária altercação, mais ou menos conseguida, revelam argumentação repetitiva, pouco imaginativa, inovadora ou criativa dos opostos. Rebate-se e torna a rebater-se. Intervenções iniciam e findam. O avanço é nulo. A oposição marca presença. Tenta desconcertar, desconcentrar, distrair, confundir, baralhar. Os papéis estão hábil e claramente distribuídos e todos sabem o que têm a fazer neste palco de estrelas, maioritariamente, sem grande brilho na essência e na substância. Por sorte, as coisas estão já bem precisadas nas mentes da geringonça andante e, pasme-se, até vão funcionando. E vão funcionando bem. O orçamento, esse papão assustador vai, com as dificuldades inerentes e expectáveis muito próprias e nada surpreendentes, superando os obstáculos, conjugando forças aparentemente antagónicas e consolidando uma governação caracteristicamente mais social e humanizada. Esperamos pequenos passos, mas grandes feitos. A pouco e pouco, o equilíbrio e a estabilidade reconquistam-se e sonham-se. A bem da nação e de todos os portugueses. O caminho é longo e árduo, nada de ilusões. Todos o sabem e todos o sentem. A esperança, persiste, no entanto. Vamos dar, por isso, à geringonça e ao OE 2017, o benefício da dúvida.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D