Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

O Voo das Libélulas

A manhã amanheceu descolorida. O sol esqueceu-se de acordar e a neblina matinal invadiu o seu espaço. As cores morreram algures. As asas da liberdade estavam prontas para voar, embora com natural apreensão, uma vez que seria uma estreia e nem todos são objectos de metal voadores que, pelos vistos, quase nunca caem e em que tudo está programado milimetricamente. O vento soprava forte. Digamos que a Natureza olvidara o momento e não criara as melhores condições atmosféricas para o sucesso do empreendimento. Naquele dia, ainda por cima, o céu estava cheio de nada e de tudo. Obstáculos e mais obstáculos. Temerosas, a muito custo, as pequenas libélulas foram sendo empurradas para o mundo ou, pelo menos, para parte do mundo. Aquele que era suposto voar. Alto. O mundo aéreo confunde-se muito com o mundo das águas. Os azuis imperam e as tempestuosidades também. Invariavelmente, os dois mundos cruzam-se, por vezes, numa singularidade pontual que permite a transferência de energias alternativas e alternadas e que confundem os sentidos das pequenas libélulas, ainda inexperientes. As flores e os animais atiram-lhes incentivos figurados que soam qual inspiração apoteótica. O vento parece querer amainar. As árvores já não abanam com o vigor de há pouco. É tempo de arriscar. É tempo da metamorfose. É tempo de dar o salto. É tempo de crescer. É tempo de voar. E o infinito do horizonte é o limite. As pequenas libélulas acercam-se da borda e exercitam vigorosamente as suas belas asas. Têm esperança e estão felizes. Uma nova etapa se afigura e o mundo parece agora bem melhor. O batimento de asas constante e expressivo revela a essência do acreditar. E, num segundo incompleto, o corpo resvala no ar e o voo perfeito acontece. O voo das pequenas libélulas que passará a ser apenas, o voo das libélulas.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub