Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

O Terraço

Parece simplista demais atribuir tamanha importância a um terraço, no entanto, este não é um terraço qualquer... Quando aterramos na ilha, agradecemos sempre aos deuses a chegada abençoada e sem sobressaltos. É um ritual místico e necessário. Depois, seguimos pelos túneis infinitos e obscuros, esquecemos a paisagem já bem conhecida e o mar, logo ali ao lado, e chegamos ao nosso norte. E estamos em casa. Ou quase. A placa que identifica a pequena vila surge logo depois da (queremos acreditar) última curva. Fazemos um pouco da estrada principal e viramos para a ladeira que nos transporta ao caminho secundário, iniciando-se uma nova sequência de curvas. Passamos a Escola Básica e a padaria e chegamos ao nosso destino. Estacionamos e nova ladeira nos desafia, a pé. Antes, a avó vinha esperar-nos com o seu sorriso doce e terno e um abraço. Agora, restam as memórias desse toque e desse gostar. A casa continua na mesma. Nós é que vamos mudando e sentindo as coisas de uma outra maneira, de outra forma. Mais intensa. No terreiro da casa, revive-se o tempo passado, mas, a primeira coisa realmente a fazer é, claro, subir ao terraço. A escada leva-nos a um novo mundo. Um mundo com um cenário de beleza pura, virgem, verde, humana, natural. À nossa frente, a cultura das terras trabalhadas, o miradouro e a encosta profusa de vida. À direita, o pico. As montanhas de recortes irregulares, fustigadas pelas nuvens que teimam em fechar-nos a porta. À esquerda, o mar infinito e a ilha, lá longe, no horizonte. Atrás, a vila em todo o seu esplendor, encaixada em vales e encostas, com a igreja a marcar o centro. Avista-se o corgo e as casas megalómanas de quem teve de ir para fora fazer fortuna. Aquele terraço enche os sentidos. Depois, fechamos os olhos e sentimos as coisas que nos rodeiam: cheiros, brisas, sons... E deitamo-nos no terraço que nos viu crescer. E sonhamos. Felizes.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub