Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

O Terraço

Parece simplista demais atribuir tamanha importância a um terraço, no entanto, este não é um terraço qualquer... Quando aterramos na ilha, agradecemos sempre aos deuses a chegada abençoada e sem sobressaltos. É um ritual místico e necessário. Depois, seguimos pelos túneis infinitos e obscuros, esquecemos a paisagem já bem conhecida e o mar, logo ali ao lado, e chegamos ao nosso norte. E estamos em casa. Ou quase. A placa que identifica a pequena vila surge logo depois da (queremos acreditar) última curva. Fazemos um pouco da estrada principal e viramos para a ladeira que nos transporta ao caminho secundário, iniciando-se uma nova sequência de curvas. Passamos a Escola Básica e a padaria e chegamos ao nosso destino. Estacionamos e nova ladeira nos desafia, a pé. Antes, a avó vinha esperar-nos com o seu sorriso doce e terno e um abraço. Agora, restam as memórias desse toque e desse gostar. A casa continua na mesma. Nós é que vamos mudando e sentindo as coisas de uma outra maneira, de outra forma. Mais intensa. No terreiro da casa, revive-se o tempo passado, mas, a primeira coisa realmente a fazer é, claro, subir ao terraço. A escada leva-nos a um novo mundo. Um mundo com um cenário de beleza pura, virgem, verde, humana, natural. À nossa frente, a cultura das terras trabalhadas, o miradouro e a encosta profusa de vida. À direita, o pico. As montanhas de recortes irregulares, fustigadas pelas nuvens que teimam em fechar-nos a porta. À esquerda, o mar infinito e a ilha, lá longe, no horizonte. Atrás, a vila em todo o seu esplendor, encaixada em vales e encostas, com a igreja a marcar o centro. Avista-se o corgo e as casas megalómanas de quem teve de ir para fora fazer fortuna. Aquele terraço enche os sentidos. Depois, fechamos os olhos e sentimos as coisas que nos rodeiam: cheiros, brisas, sons... E deitamo-nos no terraço que nos viu crescer. E sonhamos. Felizes.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub