Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

O Que Quer a Humanidade?

Inevitavelmente, quem ainda se preocupa com pensamentos mais cépticos, introspectivos, sociológicos, antropológicos, filosóficos e não tão lineares, sobre a real existência e propósito do ser humano e da humanidade, já se questionou, com a abstracção necessária para não enganar o hemisfério racional (cuja ficção deambula extravagantemente pelo surrealismo do desconhecido), sobre qual a verdadeira demanda que nos incute a todos, enquanto espécie a continuar, não se sabe bem para onde, nem porquê, mas, a continuar, a não desistir, a ter esperança, a ter fé, num futuro melhor e maior, sustentável e duradouro. E o que é o nosso futuro? O que é um futuro melhor? O que é para mim, não é para ti, nem para eles, nem para a maioria, pelo menos, em consonância neural plausível. O nosso problema actual e substancial é que, enquanto espécie, não agimos no interesse comum, não há uma união conciliadora para estabelecermos objectivos concretos e reais, em comunidade, numa óptica global e universalizante. A realidade é esta. Há muito se perdeu a virtude, ou não, de agilizarmos e transformarmos em actos consubstanciados e comportamentos visíveis, teorias e brainstormings centenários ou mesmo seculares. Cada qual cuida de si, dos seus interesses e vive a sua vida; com sorte, corre tudo bem e as coisas más passam ao lado. Sobrevive e morre feliz. Cada vez mais, o ser humano se está a tornar num ser individual e individualista. A característica que sempre identificou humanamente a espécie está a perder-se, a volatilizar-se no tempo e no espaço. O instinto de sobrevivência já não se reporta somente e unicamente à espécie, porque alcançamos o expoente máximo de superioridade na cadeia de valor hierárquica, a nossa única ameaça somos nós mesmos. Na realidade, cada qual quer encontrar o seu próprio caminho, o que não teria nada de mal se, no decurso dessa senda, respeitasse os princípios e valores inultrapassáveis do tal propósito subjacente na génese humana, o propósito existencialista da espécie, o propósito comum. Continuamos a ser mais fortes juntos. Alguns dizem. Neste momento, queremos mais e o mais está a matar-nos sem nos darmos conta. A espécie está em declínio. Queremos ser o que não somos. Ganância, poder, capital, mobilizam-nos. As aparências iludem. A tecnologia está a ganhar. O que não tem mal nenhum, quando canalizada para o bem geral da humanidade. Então, o que quer a humanidade agora? A humanidade individualista, centrada no indivíduo quer “viver à grande”, ser the best, the winner, ter poder e liderar tudo e todos. Como isto não é possível, nem concretizável, nem tão pouco atingível por todos os indivíduos, surgem as frustrações, os desvios, a raiva, a tristeza, as depressões, as insatisfações, os sonhos gorados. Parece que estamos a perder a esperança e a fé na humanidade. Talvez, por agora, a desilusão seja demasiado avassaladora. Quero crer que poderemos, um dia, mudar as coisas. Para melhor. Quase sempre o fizemos, mas, desta vez, o futuro parece mais turvo, mais incerto, mais assustador, mais apocalíptico. Acreditemos, no entanto, que a mudança positiva é passível de se fazer, que tudo ficará melhor e que a capacidade de nos colocarmos no lugar de um outro ser se tornará visionária e operacionalizável, num retorno ao revivalismo da beleza interior humana, no que de melhor a espécie tem e no que de melhor faz e sabe fazer.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub