Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

O Plano

Se extrapolarmos a vivência expectável passada, compreendemos que o tempo não se ajusta à nossa felicidade e que a nossa história, em crescendo, fica irremediavelmente ultrapassada pelo turbilhão ambulatório das emoções mal amadas e mal paradas. O mundo está, desde a primordial inspiração divina ou pagã da vida, contra nós. Malfadado fado. Eterno contorno virtual idolatrado. Rogatória impotência. Fictícia crença. A banalidade dos actos, em contínuo, numa linha paralela, enganam o mais fervoroso descrente. O plano, traçado à nascença, raramente se pauta pelo seu cumprimento estrito. A razão intemporal ilude a amargurada alma, num filme extrapolado de amantes ingénuos. A alma e o coração pecam constantemente, jamais cumprindo o tal potencial plano aplaudido por uns, assobiado por outros. A confluência dos sentidos, nesta amálgama de frustrações continuadas, carece de comprovação realista e atira para o abismo momentâneo a fundura da vitória passiva e destemida. Aquele plano inconsequente altera o destino. A rota traçada afunda numa panóplia de mentiras conjuradas, num qualquer caldeirão de tentações. E se fosse cumprível? Fazível? Controlável? Afinal, um plano pressupõe determinismo consequencial e sequencial, ainda que as variáveis abonatórias se proporcionem a volatilidades constrangedoras. Na realidade, no mais pragmático confluir de vivências concretizadas, está provada a falha crassa de um plano, independentemente da vontade subjacente. A verdade é que as probabilidades embatem num mural de imprevistos e incertezas incontornáveis. Assim é, assim foi e assim será. O elemento surpresa define a história, a mudança engrena na vida e os sentimentos não têm lugar destacado, porque o existencialismo racional comanda o espectro humano e mata a essência purista do sonho inocente. Potenciemos, pois, num qualquer universo transversal, a emoção, equilibrando estoicamente o desconcerto da razão, equilibrando a rotina, a família, o trabalho, a vida, o ser.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub