Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

O Perfume das Flores

Naquela manhã primaveril, acordei descalça para o céu. Levantei os pés, depois, as mãos e abracei as nuvens. Calcorreei levemente o chão frio imaginário e despojei-me de negativismos histéricos. Saltei, pulei e corri desalmadamente. O jardim cheirava a terra e relva e flores. Inspirei o mundo e derreti-me com os seus odores frescos e inebriantes. O pitoresco cenário que me envolvia, fazia-me sonhar com os contrastes montanhosos da minha terra distante. Que saudades daquelas paisagens deslumbrantes, que saudades do gentio carregado de rejubilante paz e alegria, que saudades dos lagos e lagoas ofuscantes na sua beleza pura, singelos na sua encorporação. Deixei a casa sonhada para trás e fui levada pela brisa condutora das magnólias e dos crisântemos. O perfume das flores embalava-me, aliás, como há já algum tempo o fazia. Quando me mudei para esta vila, o tempo e o espaço pareceram regredir e senti-me perdida. O meu alento veio da flora exuberante e rica que crescia em meu redor. A casa foi abençoada pelos encantos mil, simplificados q.b., é certo, mas, sempre condicionadores e consequentes dos recantos cuidados pelos jardineiros da alma. Quando, finalmente, parei, depois de sentir as pedras soltas na calçada incompleta da vida, o meu coração batia acelerado. O silêncio ensurdecedor abateu-se e vi tudo escuro. Só depois de recuperado o fôlego, e ao abrir, num pestanejar automático, os olhos, voltei a experimentar os sentidos em pleno. E aquele que sobressaía em intensidade era, sem dúvida alguma, o olfacto. O perfume das flores entranhou-se nas narinas despertas e encheu-me de vida, cor, energia, arrancando todos os pesadelos fantasma que assombravam a minha humilde e prematura existência. Continuei descalça, porque sentimos mais as coisas no toque. Ergui, de novo, os pés e as mãos e, desta vez, elevei-me qual pluma ou dente de leão soprados ao vento. E parti. Da vila, do mundo. Cheguei a nenhures e fiquei-me em talvezes. Mas, nunca esqueci o perfume das flores.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub