Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

O Norte Perdido

O que queres ser quando fores grande?

Não sei...

Sabes pois, pensa lá bem!

Talvez, muita coisa, ou pouca, ou nada...

Os sonhos existem, são realidade paralela,

Ficção inventada em desespero de causa,

Morte anunciada lentamente, quando transposta para a vida real.

Se queres ser muita coisa, diz lá algumas dessas coisas...

Médico, Professor, Advogado, Engenheiro, Arquitecto, sei lá!

Se queres ser pouca coisa, diz lá algumas dessas coisas...

Não posso. As profissões são o que são e ser pouca coisa, já de si é um fardo para muita coisa...

Se queres ser nada, diz lá o que é ser nada...

Não sei, mas o nada enche-me as ideias que tenho a toda a hora e a todo o instante... O nada, para mim, é tudo. Ou, talvez não. Talvez, seja apenas parte daquilo que sou. Ou não sou.

Pareces-me confuso... Perdido... Como te podes reencontrar?

Voltando a sonhar a sério. Transpondo os sonhos para o meu mundo policromático, dual, paralelo e ambíguo.

Dizem que os ventos trazem a mudança. Que o caos é necessário como ponto de partida para a construção do novo, de algo melhor, de um estado individual mais equilibrado e superiormente melhor. A supremacia afina-se. E perde-se. Esquece-se. Tal como a confiança.

Continuas confuso, perdido...

Nem por isso. Restrinjo-me à minha insignificância neste ciclo de reencarnações trocadas. As identidades foram misturadas e não posso ir mais além. Comiseração, resignação e consternação. As depressivas realidades consequentes de uma planificação mal conduzida e estagnada.

O que te faria, então, feliz?

A simplicidade do sorrir iluminado pela pureza da alma, pela paixão do coração e pela esperança num mundo mais justo, igualitário e respeitador do semelhante. Amar e ser amado. Fazer o bem e distribuir alegria e felicidade por todos.

A hora acabou. O tempo passou. Para a semana, continuamos.

O que é que continuamos?

Isto. O que quer que isto seja...

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D