Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

O Mundo em Convulsão

Nestes tempos alterados, em que o rumo das vidas humanas, um pouco por todo o lado, se altera desmesurada, negativa e estupidamente, a cada segundo surreal, a incredulidade invade-nos a alma, o coração e até mesmo a razão, em consequência do que vamos observando, impotentes. Onde se escondem o equilíbrio, a razoabilidade, o bom senso, a ponderação, o consenso, o “amar o próximo”, a “aldeia global”, o espírito de união e benevolência, compaixão e entre ajuda, que definem e caracterizam a humanidade? Vivemos tempos indefinidos, incertos, tristes e os sentimentos que nos invadem, não se conseguem exprimir assim tão simplesmente. O que alcançámos até agora, todos juntos, como espécie, uma estabilidade social, económica e política, ainda que frágil, mas com um tremendo potencial de sustentabilidade e esperança futura, encontra-se à beira de um poço muito escuro, sem fundo. Os últimos desenvolvimentos, na política americana, externa e interna, empurram-nos para um marasmo existencialista em que deixamos de acreditar no bom e no melhor das pessoas, no futuro enquanto seres social e humanamente ligados pelos laços da amizade e do amor. O proteccionismo exagerado, o ultra nacionalismo perigoso, o fechar de fronteiras, o crescer de muros do descontentamento, a intransigência, a prepotência, o corte comunicacional, as negociações e a diplomacia falhadas, o fim real da liberdade, levam-nos a pensar seriamente para onde vamos e para onde queremos ir e como podemos actuar. Se é que podemos actuar. Está em causa o nosso futuro em comum. Estão em causa valores e princípios conquistados, com muito esforço, suor e sangue, há já muitas gerações. Supostamente, devíamos evoluir, crescer e não regredir. O futuro é nublado, o horizonte parece perdido, a humanidade abandonada, a fé abalada. Precisamos de um novo rumo, de um recomeço auspicioso, de uma voz interior que nos guie, a todos, numa demanda pelo positivismo, humanismo e humanização, pela sustentabilidade, pela esperança, pela liberdade, pela felicidade. Que dias tão tristes, os que vivemos hoje.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub