Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

O Estio das Estrelas Cadentes

Por natureza, a sua luminosidade esférica e composição plasmática irradia apenas os bons pensamentos de uma estrela cadente. As estrelas cadentes adormecem a maior parte do tempo humano desperto, porque apenas começam a brilhar ao lusco-fusco, vivem intensamente os céus alheios nocturnos de negro forte e escondem-se dos olhares aos primeiros raios de sol da manhã, envergonhadas. É quando estão adormecidas que recarregam os bons pensamentos e os transmitem telepaticamente, através de vórtices de energia quântica, aos humanos acordados, sob a forma de espectro de não matéria esquiva e moldável, exímia na arte do disfarce físico. Os humanos absorvem e filtram apenas os bons pensamentos. Valha-nos isso. Os maus pensamentos das estrelas cadentes são the dark side e assustadoramente maléficos e atordoadores na sua drástica medida maligna. É por isso que os humanos também brilham, ainda que apenas muito ocasionalmente, porque os bons pensamentos de uma estrela cadente são difíceis de capturar e absorver. A nossa identidade pesarosa, desconfiada e céptica de seres de pouca fé faz com que durante a maior parte do ano humano as estrelas cadentes não consigam alcançar o corpo, a alma e o coração humanos e esta energização necessária para estabelecer o equilíbrio do universo, esfuma-se inconsequente e frustradamente pelos túneis do infinito equidistante. Assim, é no estio das estrelas cadentes, na estação seca, portanto, dos humanos, que a actividade floresce e dá frutos, porque os dias são maiores e os humanos parecem estar mais felizes e mais propensos às emanações de energia positiva do estrelato. Por isso também, o céu se ilumina nas noites de verão com uma intensidade mais desconcertante, gloriosa e poderosa, em comparação com os outros dias do calendário. Amiúde, os humanos entregam-se, nesta época, em particular, à observação da imensidão do firmamento, com crença inexplicável, na esperança de encorajarem as estrelas cadentes a dormirem o sono dos justos e dos tranquilos, durante o dia, com a profundidade suficiente para só produzirem bons pensamentos. A dinâmica deste duo jamais será compreensível, porque forças maiores se movimentam no universo para que estrelas cadentes e humanos se concertem numa dança de par perfeita e magistral, verdadeiramente singular. E assim continuará até ao fim dos tempos se os humanos acreditarem.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D