Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

O Arquivo Radiofónico

As ondas sonoras começaram a ecoar no ouvido destreinado para este tipo de coisas. Nunca se tinha emitido qualquer tipo de sonoridade, proveniente de um aparelho tão moderno. A experiência pseudo científica levara ao rubro o grupo de pequenos jovens empreendedores, arrebatados pelas descobertas recentes de Marconi. E porque não, ensaiarmos nós, pensaram inocentemente. No início, apenas se escutavam ruídos irritantes e desconexos e estática viral. Durante dias e semanas e meses, foram aperfeiçoando a tecnologia primitiva, seguindo as dicas e conselhos de sábios experientes e filtrando, das leituras ficcionais dos mestres do suspense criativo surreal ou irreal, aquilo que potencialmente poderia provisionar conhecimento técnico e inovador. A criatividade estava esbraseada e a efusividade extravasava a cada discussão mais ou menos tecnologicamente filosófica. O certo é que, sem ninguém saber, certo dia (hoje), as coisas tomaram forma real e a prova concreta teve lugar. Os ruídos irritantes e desconexos e a estática viral deram espaço a algo mais consistente. Som. Sonoridade. Trinados vozeados. Algoritmos de vozeamento projectado. Definições claras e precisas. Vozearia com nexo. Musicalidade hertziana. Concertos cadenciados e rítmicos. E o ritmo da projecção sonora era inebriante. O empreendimento ganhava contornos de sucesso conquistado. A singularidade do momento era memorável. Mas, de repente, tudo se quedou. Silêncio mudo. Escuridão auditiva. Desilusão premente. Frustração descontida. O precioso momento passara. Apenas ficara a sensação de tomada temporária, frágil e passageira. O arquivo radiofónico da memória colectiva daquele grupo de pequenos jovens empreendedores maravilhara-se para sempre, ainda que numa curta e efémera conjuntura sonhadora de contextualização duvidosa empolada pelo êxtase dos sentidos. O hemisfério esquerdo rendera-se. A razão providencial e metódica, regrada e científica fora, provisoriamente, superada. Jamais esqueceriam o fenómeno. Jamais o seu mundo seria o mesmo. Jamais o sonho seria ultrapassado e esquecido. As mentes brilhantes irradiaram saber e conquista e o seu futuro, espera-se, agora, menos banal e previsível. Haja aventureiros. Haja descobridores. Haja cientistas. Haja inovadores. Haja criativos. Haja empreendedores.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub