Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

O Abandono de Nós

A tristeza invadiu-lhe o coração. Era a única sobrevivente do massacre levado a cabo naquela noite, na sua aldeia. Até agora, a aldeia tinha sido poupada, mas todos o sabiam, haveria de chegar o seu dia, o dia da queda, o dia fatal. E lá se acercou. Lá lem, na sombra dos pinheiros mansos, ainda frescos de cor e resina, deixou-se cair e entregou-se ao aperto da alma. Como podemos ser todos seres da mesma espécie que se matam, mutilam, torturam, desprezam, aniquilam com prazer óbvio? O que nos aconteceu? Aconteceu o mundo, responderam-lhe certa vez. Aconteceu a vida, outros enfatizaram, num outro tempo. O abandono de nós tem sido progressivo. A espécie selecciona apenas os mais fortes, mas, acima de tudo, os mais espertos, não necessariamente os mais inteligentes. Estes, são aqueles que aproveitam as oportunidades, quando elas surgem e nunca olham para trás, não têm compaixão ou nutrem qualquer tipo de empatia pelo próximo. Ela compreendia tudo isto. Os homens da família tinham-lhe contado a história do mundo e dos outros homens centenas, milhares de vezes e ela interiorizara as coisas. Mas, forçava-se a lembrar apenas das coisas boas, porque as havia. A aldeia estava destruída. O povo morto. A vida escureceu e o cenário foi pintado de cinzento bem escuro. Os homens da família haviam sido levados em carroças imundas e desumanas. A sua mãe, enterrada na vala comum do morro faminto de corpos. Perdera o rasto do seu ser. A consciência abandonara-a e a apatia de alucinações feita, ainda que temporária, provocada pelo choque, pela fome, pela brutalidade humana, invadia-lhe o espírito. Alguém a chamou. Anda, aqui, sussurrou. Olhou em redor, mas nada viu. Nenhum movimento, nenhuma sombra, nenhuma forma. Anda, aqui, de novo. Desta vez, viu, mas pensou estar a sonhar ou já moribunda. Uma pequena fada luminosa e bela, abeirava-se do seu ouvido. Anda, por aqui. Lançou-lhe a sua magia e o feitiço em seu redor e tudo se transformou. O abandono de nós já era e o coração encheu-se de esperança e de amor. O cenário mudou, a aldeia renasceu das cinzas, os homens da família voltaram e a sua mãe vivia. O povo reviveu. Tudo era cor, alegria e felicidade. E espanto. Os seres da mesma espécie abandonaram o seu lado negro e os fortes e espertos salvaram das trevas todos os seus irmãos. Ela adormecera, finalmente, e agora, lá do céu, lançava qual papagaios de papel, ao vento, os seus sonhos. Mas só os sonhos felizes. E é neles que temos de acreditar.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub