Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

No Dia de São Martinho

Cinzento escuro entardeceu o dia,

São Martinho zangou-se e ameaça subtil trovejar,

Não mais há Verão quente renascido,

O gentio esqueceu-se do bom e sincero pregar.

 

Castanhas, esperemos, quentinhas,

Labaredas, é certo, menos fartas,

O frio aperta destemperado a alma e o corpo,

A água pé já não aquece emoções belas e castas.

 

Aprende-se o renovado ritmo das estações,

Das rotinas e tradições falam as gentes,

Se calhar, precisamos mesmo de operar mudanças,

Andanças e filosofias vivenciais bem mais diferentes.

 

O mundo está vazio, deserto e mudado,

A sociedade escondida idem,

São Martinho, parece, também,

Por isso, o popular dia, de imprevistos, é refém.

 

Resta-nos esperar que tudo se recomponha,

Que a tradição seja o que era,

Que a vida e o universo real continuem na senda conhecida,

Para respirarmos descansados a existência sem fera.

 

Ouvidas as curiosas preces,

Deuses e Santos deliberaram,

São Martinho, por favor reconsidere,

E num festejo presente de magia crente, os eternos companheiros, ao dia perfeito regressaram.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D