Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Momentos Fugazes de Felicidade

Quando ladeavam a ribeira florida e perfumada, repleta de vida, cor e alma e de gentio perpetuado nas esquinas de cada ruela bairrista, pelas suas façanhas eternizadas na glória fadista, e escutaram as suas vozes interiores, recordaram, de novo. Olharam em redor e observaram o rio a desaguar, as pontes penduradas do céu, os rendilhados agrupados da imagem da escadaria de bairro, que vão subindo, por patamares, até atingirem a colina por trás do sol posto. As urbes vão crescendo para os céus. O céu é o tecto limite do observatório lunático da fantasia humana. O movimento é estonteante. Pessoas mexem-se numa eterna dança de cadeiras sentadas fictícias e arrumadas e carros esquecem os sentidos obrigatórios das vidas que correm nas vielas estreitadas. O escuro das fachadas urbanas destoa da cor lá em baixo. Uns andares acima e entramos na perspectiva relativa da variante faunística dos visitantes inesperados dos telhados perdidos e das varandas ocupadas. Sorriram. Fotografaram cada momento. Pequenos momentos simples de prazer e felicidade, com a fugacidade não ambicionada pelo ser, entranham na memória e a saudade ficará. A volta continua. A marginal traz a brisa marítima. A ribeira é rio e o rio é mar. Os cheiros intensificam-se e os sentidos apuram. A corrida contra o tempo é esquecida e continuam percorrendo os caminhos da cultura e do conhecimento. Os petiscos do intelecto alimentam o coração já conquistado. Lá em cima, nas praças, ainda há surpresas. Ruas mercantilistas povoadas de emoção e lojistas com expositores de tempos modernos e de tempos antigos. A calçada escorrega a tristeza do chão pisado, milhões de repetitivas vezes, pelos mesmos pés e por pés novos, que se omitem despropositadamente do olhar para baixo, o olhar para a arte que pisam. Aconteceu que se apaixonaram por todo aquele cenário diferente. E quiseram ficar. Um momento parado num minuto de pura beleza singela. Os momentos fugazes de felicidade, são isso mesmo, fugidios e temporários, mas propensos a existência real, por isso, quando surgem, há que os agarrar e apertá-los bem, num abraço sentido e terno.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub