Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Inspirações Desinspiradas

O colosso fenomenal do paradoxo literário mundano, reverte filosofias abrasivas de resguardo secular inusitado. Verdadeiramente resfriante é o magno desgosto da madona abandonada e perdida no deserto das desilusões atemporais que mirram, qual rosa desnudada na jarra de cristal palaciano feita, apontando direcções surreais e ambíguas menosprezadas pelos factos da razão em detrimento dos murmurejares do coração, emoções que exaltam a alma e perpetuam a monumental tragédia da virgem gloriosa, esbelta e determinada, esboçada no canto superior do quadro, há muito amarelado, do artista desconhecido. Inspirações desinspiradas brotam da árvore dos  sentidos azuis, porque os púrpura morreram de lilás andrógeno. Vislumbra-se, lá longe, lá lem, o corgo da vida imiscuida de prazenteiro sucesso momentâneo e de quedas abismais, sulcadas por prantos inaudíveis das hostes rebeldes e aniquiladas, que outrora comandaram o mundo virtual do paralelismo nórdico. Sucumbir a esta irrealidade real obtusa, ofusca os sentidos insensíveis. Na fantasia da história não contada ou inacabada ou não começada, eventualmente, sequer, estridentes mananciais de vultos opacos de morte, sobranceiros à estepe invernal das luzes do norte magnético, fibrilham vontades descarnadas de seres não terrenos, providos de desmazeladas convulsões titânicas abstractas e brancas. Movimentos circulares enchem a perspectiva lateral do óculo dianteiro das musas da antiguidade. O continuum infinito dos abraços inconstantes será perpétuo e não mais os estratos neurais de pensamento ilógico fugirão das frustrações biónicas que acalentam a esperança dos humanóides humanistas no mundo perfeito que quer existir mas que, não vinga, nem espraia tentáculos sustentáveis, coordenados ou resistentes. A ode à ilusão desilusória é o mote das gerações e do ciclo reencarnado da vida eterna e imortal.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub