Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Finados e Outras Coisas

A literatura acompanha o amor e a morte, de perto. Tudo se conta. Tudo se escreve. Tudo se sente. No entanto, a associação de amor a algo bom e de morte a algo mau, doloroso, transparece uma significância suspeita, que é comummente aceite, mas que se traduz num receio realista e temente. Tabu ancestral, a morte permanece envolvida em misticismo céptico e tenebroso. Na realidade, a ideia de continuidade, associada ao ritual fúnebre, naturalmente seria sinónimo de esperança ancorada numa outra vida, num outro lugar, numa outra existência. Esta passagem é biologicamente aceite. Mas, apesar do ciclo da vida ser interiorizado de forma plena, sem redundância e contorno possível, a humanidade tem reservas profundas relativamente à temática. Assim sendo, o problema não é a morte em si mesma, mas o quando e o como associado a ela. É isso que transforma a racionalidade humana, nos momentos finais ou mais meditativos, em irracionalidade emocional e emotiva. As dores física e psíquica que acompanham o processo, faseado ou não, é o fantasma que assombra as mentes mais optimistas. A expectativa de que um bocadinho de nós fique e permaneça em alguém ou alguma coisa, é o alento esperado e desejado. Os finados devolvem o espírito mortal aos terrenos e ganham realce na espiritualidade da conectividade com a vida posterior. A lógica da reencarnação fará sentido, quando ligada à continuidade existencial de produtores e decompositores, porque no ciclo da vida, cada qual tem e assume um papel e função bem determinados e deterministas. A compreensão de todos estes fenómenos e experiências, ultrapassa, no entanto, uma explicação puramente científica, e é, muitas vezes, no folclore que a compreensão encontra sentido mais imediato. Respeitar as crenças e religiões, a ciência, a experiência, o conhecimento, a sábia ancestralidade, e as suas devidas interpretações da morte é fulcral para uma mais fácil aceitação de algo que nos persegue, desde o momento em que nascemos. É uma inevitabilidade. No entanto, encaremos frontalmente que o corpo está preparado para a vida, assim como para a morte. É um facto. E nisso, somos todos iguais, humanos e verdadeiramente mortais.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub