Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Finados e Outras Coisas

A literatura acompanha o amor e a morte, de perto. Tudo se conta. Tudo se escreve. Tudo se sente. No entanto, a associação de amor a algo bom e de morte a algo mau, doloroso, transparece uma significância suspeita, que é comummente aceite, mas que se traduz num receio realista e temente. Tabu ancestral, a morte permanece envolvida em misticismo céptico e tenebroso. Na realidade, a ideia de continuidade, associada ao ritual fúnebre, naturalmente seria sinónimo de esperança ancorada numa outra vida, num outro lugar, numa outra existência. Esta passagem é biologicamente aceite. Mas, apesar do ciclo da vida ser interiorizado de forma plena, sem redundância e contorno possível, a humanidade tem reservas profundas relativamente à temática. Assim sendo, o problema não é a morte em si mesma, mas o quando e o como associado a ela. É isso que transforma a racionalidade humana, nos momentos finais ou mais meditativos, em irracionalidade emocional e emotiva. As dores física e psíquica que acompanham o processo, faseado ou não, é o fantasma que assombra as mentes mais optimistas. A expectativa de que um bocadinho de nós fique e permaneça em alguém ou alguma coisa, é o alento esperado e desejado. Os finados devolvem o espírito mortal aos terrenos e ganham realce na espiritualidade da conectividade com a vida posterior. A lógica da reencarnação fará sentido, quando ligada à continuidade existencial de produtores e decompositores, porque no ciclo da vida, cada qual tem e assume um papel e função bem determinados e deterministas. A compreensão de todos estes fenómenos e experiências, ultrapassa, no entanto, uma explicação puramente científica, e é, muitas vezes, no folclore que a compreensão encontra sentido mais imediato. Respeitar as crenças e religiões, a ciência, a experiência, o conhecimento, a sábia ancestralidade, e as suas devidas interpretações da morte é fulcral para uma mais fácil aceitação de algo que nos persegue, desde o momento em que nascemos. É uma inevitabilidade. No entanto, encaremos frontalmente que o corpo está preparado para a vida, assim como para a morte. É um facto. E nisso, somos todos iguais, humanos e verdadeiramente mortais.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub