Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Brexit e PPes

A política europeia está a mudar e nem mesmo as instituições europeias conseguem travar este movimento que se iniciou dramaticamente e cujo final é uma incógnita ambígua e dual. Os povos pronunciaram-se, os corações sentiram e exaltaram e os resultados foram emocionais, emotivos e imprevisíveis ou, pelo menos, inesperados. Mas, assim é, quando dissertamos e não concretizamos sobre inteligência emocional humana e respectivos comportamentos, tantas vezes, inopinados. A focalização expectável racional seria sempre, tendo em conta as variáveis independentes, preterida em relação à comoção empreendedora de estados acumulados e realidades obtusas e castradoras. Os britânicos acataram a oportunidade que lhes foi dada de fugirem de uma Europa sem ideias ou ideais e muito pouco unida ou socialmente responsável e sustentável a médio/longo prazo. Os espanhóis reforçam a hegemonia dos reinos divididos, numa votação de desequilíbrio, desfasada e sem maioria absoluta. O cansaço das hostes face às desilusões sucessivas com o chamado “sonho europeu”, ou até mesmo nacional com pretensão ou projecção europeísta, é visível, perceptível e compreensível. Numa altura em que o ideal europeu já deveria ter amadurecido, o desmembramento, a dispersão e a, cada vez mais, profunda desunião parecem ser a maior realização de toda esta aventura de nações desiguais que se querem à força iguais, mas só sob certos e determinados domínios, parâmetros, requisitos e afins. Resta conjecturar que, como em tudo o que implica razoabilidade emocional pragmática de equilíbrio moldável e volátil, o bom senso, a ponderação e a busca dos ideais perdidos prevalecerá e incitará ao abandono de nacionalismos que começam a extremizar e a enfatizar sobremaneira a polaridade oposta das reminiscências partidarizadas, culturais e sociais vivenciadas nos primórdios civilizacionais do velho continente. Aguarda-se, por isso, uma iluminura colectiva que refresque e renove o espírito europeu, a sua visão, a sua missão, os seus objectivos comuns e os factores críticos de sucesso da união e da uniformização.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub