Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Brexit e PPes

A política europeia está a mudar e nem mesmo as instituições europeias conseguem travar este movimento que se iniciou dramaticamente e cujo final é uma incógnita ambígua e dual. Os povos pronunciaram-se, os corações sentiram e exaltaram e os resultados foram emocionais, emotivos e imprevisíveis ou, pelo menos, inesperados. Mas, assim é, quando dissertamos e não concretizamos sobre inteligência emocional humana e respectivos comportamentos, tantas vezes, inopinados. A focalização expectável racional seria sempre, tendo em conta as variáveis independentes, preterida em relação à comoção empreendedora de estados acumulados e realidades obtusas e castradoras. Os britânicos acataram a oportunidade que lhes foi dada de fugirem de uma Europa sem ideias ou ideais e muito pouco unida ou socialmente responsável e sustentável a médio/longo prazo. Os espanhóis reforçam a hegemonia dos reinos divididos, numa votação de desequilíbrio, desfasada e sem maioria absoluta. O cansaço das hostes face às desilusões sucessivas com o chamado “sonho europeu”, ou até mesmo nacional com pretensão ou projecção europeísta, é visível, perceptível e compreensível. Numa altura em que o ideal europeu já deveria ter amadurecido, o desmembramento, a dispersão e a, cada vez mais, profunda desunião parecem ser a maior realização de toda esta aventura de nações desiguais que se querem à força iguais, mas só sob certos e determinados domínios, parâmetros, requisitos e afins. Resta conjecturar que, como em tudo o que implica razoabilidade emocional pragmática de equilíbrio moldável e volátil, o bom senso, a ponderação e a busca dos ideais perdidos prevalecerá e incitará ao abandono de nacionalismos que começam a extremizar e a enfatizar sobremaneira a polaridade oposta das reminiscências partidarizadas, culturais e sociais vivenciadas nos primórdios civilizacionais do velho continente. Aguarda-se, por isso, uma iluminura colectiva que refresque e renove o espírito europeu, a sua visão, a sua missão, os seus objectivos comuns e os factores críticos de sucesso da união e da uniformização.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub