Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

As Vitrines da Nossa Terra

Quando subimos a rua, não perspectivamos a lateralidade das paredes altas recheadas, aqui e ali, com espaços segmentados ora rectangulares, ora mais quadrados, ora ovais, ora circulares, feitos de vidro criativo, que abraçam decorações mais ou menos exuberantes e que, por vezes, nos fazem viajar até ao passado de lendas e mitos. A infância de um tempo ausente que teima em querer levar-nos para outros mundos, qual viajante arrependido por não ter fixado aquele momento único na lente da sua máquina. A terra é fértil e verdejante. O casario branco, imaculado. As gentes inexistentes ou escondidas. Perdidas nos afazeres. As vitrines espelham a alma da terra, a alma das suas gentes. Contam histórias. Fecham segredos. Escondem ilusões temporárias. Perpetuam nomes e coisas. Mobilizam olhares. Deliciam os sentidos. Libertam as emoções. Abrem corações. É unânime, lá na terra, a concordância com a passagem inusitada das vaidades estrangeiras pelas montras da vida. É escandalosa a feira destas vaidades explícitas, mas sofrível e ultrapassada pela curiosidade de tudo o que é novo, causa cochicho e desperta a alma. Há tanto para ver. Fazem-se verdadeiras romarias improvisadas para explorar, visual e discretamente, o mais recente modelito que enche as ruas parisienses. Os homens são mais reservados. Os comentários não descaem no passeio. O murmurejar e o ritual dos risinhos disfarçados transbordam no eco da viela de esquina. Que grande ajuntamento. As vitrines da nossa terra despoletam comportamentos desajustados, impulsivos, imprevidentes e desmedidos. Ou não. O seu encerramento, no entanto, mataria a terra e as suas gentes. A ainda permitida alegria perder-se-ia e o cinzento da penosa estrada humana para a morte envolveria, membro a membro, uma comunidade ainda inocente, ingénua e feliz por se apartar do mundo regrado e comprometido. Cuidem-se os valores demasiado tradicionalistas. Liberte-se o espírito e a mente e entre-se numa viagem ao infinito da fantasia e do frenético abalo sazonal. Porque, depois, tudo passa e regressa à monótona realidade da constância rotineira daquilo que é conhecido e seguro. As vitrines da nossa terra deixaram cair o pano e escureceram. A noite silenciou-as. Amanhã, é um novo dia e uma nova vita.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub