Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

As Expectativas de Todos Nós

15.01.20 | Cuca Margoux

Não será exagerado regredir na ideia de que convergimos todos num sentido lato de expectativas empoladas. O discernimento audacioso dos inícios desconexados, empurram as sensações racionais mais mundanas para uma arbitrariedade contraproducente. Porque a vivência determina que tudo o que nos ensinaram está profeticamente enviesado. Em boa verdade, a ilusão de poder que se cria no espírito mal amado de um ser puramente racional, transfere no entanto matéria sensível, pasme-se, para as mentes menos obtusas e inocentes em seu redor. O certo é que todos criamos, temos, desenvolvemos expectativas legítimas, mas, raramente, concretizáveis, alcançáveis, mesmo que a nossa linha evolutiva se encaminhe para o conhecimento máximo e a iluminura plena. A vida é imprevisível. O dia uma surpresa. O amanhã incerteza. O espaço que medeia entre realidade e fantasia não é ténue, mas estupidamente existe. O vazio é preenchido com experimentação condicionada e produção dirigida, e a gloriosa improvisação, jamais deixada ao acaso, reduz à insignificância de um pensamento ignorado subtilmente, a esperança de que nascemos para mudar o mundo e para o tornar melhor. Escutamos as eternas promessas de que a mudança boa, aquela que nos interessa verdadeiramente, um dia, acontecerá, se tudo fizermos correctamente, gerindo em baixa as nossas mais altas expectativas. Pensar o pior, esperar o melhor. Que estupidez tão grande. Mais e melhor do que isto não vamos encontrar, porque o que está feito, feito está, e o que está por fazer, regulado e limitado está. O nosso espaço de manobra é circunscrito a uma pequena realidade intrusiva, numa realidade bem maior, que vai permitindo invasões discretas, anaeróbicas, no entanto, anabólicas. As movimentações de expectativas mais ou menos goradas são uma realidade transversal ao universo populacional, operando numa civilização castrada pelo mote de que algo de bom, um dia, surgirá por geração espontânea miraculosamente. É hilariante aprofundar o pensamento, numa submersão controlada de descontrolo fútil e inconsequente. Assim, as expectativas de todos nós vão-se gerindo de forma aleatória, conduzindo a eternidade agora e a vida só depois. Que sofrer antecipado.