Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

As Canseiras da Vida

As rotinas humanas vivenciais são por demais previsíveis e o inesperado, o imprevisto, a surpresa, têm o seu registo icónico marcante com uma esporadicidade inevitável, porém, efectiva e concreta. O nascimento reflecte o início de tudo, a primazia das interacções mundanas, o existencialismo aceite e integrado num novo ciclo transformacional. O abraço social a uma nova vida é ritualizado e procedimentado. A ordem natural é respeitada, os ensinamentos transmitidos, os princípios e os valores acomodados. E bla, bla, bla, saltamos algumas partes e surgem-nos os conhecimentos académicos, a virtualização da família, a profissão despropositada e desajustada que rende. Afinal, aparentemente, parecem contar-se pelos dedos só de uma mão aqueles que são verdadeiramente felizes e realizados. As canseiras da vida emergem precisamente nas fases intermédias. São todos aqueles processos pré-definidos, na realidade de contornos incertos, expectáveis, na realidade vagos, consequentes e sequenciais (que apartam-se e quedam-se no despropósito das motivações) que obrigatoriamente têm de se concretizar ou ser concretizáveis, algures na linha temporal de durabilidade da presença natural humana neste mundo. O despertar da mente brilhante acontece, na grande maioria das vezes, aquando da atribuição de significados preponderantes aos episódios mais cansativos, ou seja, redundantes em demasia e, por isso, factualmente incontornáveis. As necessidades básicas não satisfeitas, o intelecto reduzido à insignificância, os desejos inalcançados, os objectivos inconcretizáveis, a injustiça inqualificável, remetem para um poço sem fundo que se quer trepar, esquecer e apagar. Mas, as canseiras da vida podem ser positivamente pedagógicas, no sentido de diariamente nos relembrarem do quanto cada um destes preciosos momentos existenciais devem ser devidamente apreciado, em toda a sua plenitude. Assim, deixemo-nos absorver pela sua magnitude brutal e encostemo-nos apenas ao bom da coisa vivida, mesmo com canseiras e maçadas, inesperado, imprevisto e surpresa.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D