Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Vontade do Cosmos

Determinou-se instituir um conjunto de regras de socialização, individual, familiar e profissional, que comungam, na grande maioria das vezes, pela sua natureza forçada, de sintomatologia contestada rotineira e grosseiramente, mas consequente. Na realidade, o potencial de diferenciação humana enviesa esta pré-determinação maquinada, a qual se traduz num caos inter-relacional, uma vez que a actuação humanizada se pauta por comportamentos, frequentemente, contrários à real vontade intrínseca. É certo que sem estas regras, um caos maior adviria, mas a busca pelo equilíbrio relacional é factual, incisivo e decisivo em sociedade. Voltamos, no entanto, e sempre, à questão emocional. As emoções formam-se mais concentradamente do que as reacções controladas. Assim, a ténue linha que aparta o racional do irracional emocional, definha com o desconcerto existencialista. A moderação comportamental deteriora-se e os extremos atingem-se. A história comprova que a humanidade, o ser humano, é de extremos. Parece, pois, que há uma vontade maior, iniciada num patamar existencial subconsciente, um cosmos neural subliminar que massifica as acções e que consubstancia a moralidade ou não dessas mesmas acções. Os conflitos familiares, laborais, as lutas do eu e do ser ou não ser, do saber e do existir, do futuro ou do presente são provas de uma vontade alheada imposta, não por convicções pessoais, mas sim por convenções generalizadas e generalistas. O condão do determinismo fatalista assombra a vivência e assusta os audazes. A vontade do cosmos apaga-se e esquece-se. Dissimula-se uma felicidade inexistente, abraça-se a ficção realista do universo paralelo e imaginário. O advento da contrariedade aquece o parafrasear da ambiguidade desigual e da conversação abstracta. Paremos, então, com o desafio extraordinário de podermos, querermos e de sermos diferentes. O cosmos é perentório, a decisão unilateral e a história dificilmente alterável. Abracemos, pois, o convencionalismo comum e deixemo-nos engolir pelo preconceito, pela falta de visão, pelo mutismo selectivo, pela linha de produção invariável e pouco criativa ou inovadora que cerca a vida, que cerca e condiciona a razão emocional do ser. Deixemo-nos levar na ilusão do presente e adormecer para a vida, finalmente, indefesos.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub