Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Minha Escola

A mãe acordou-a docemente com um beijo ternurento, ainda era de madrugada. Não havia luz lá fora e o breu ainda cobria a noite que queria fazer-se manhã. O despontar do sol chegaria a qualquer momento, mas teimava em atrasar-se de mansinho. A mãe sussurrou ao ouvido da petiz que aquele dia se revelaria único, muito especial e de extrema importância, ainda que velada, para a vida da pequena estremunhada que só agora conseguia abrir aceitavelmente os olhos. Quando se apercebeu de que dia era, a pequena despertou qual furacão sem anúncio. Sabia que a escola esperava, enfim, por si e que crescera durante a noite, operara-se aquela mudança de idade, prontamente explicada pela mãe há algumas incontáveis semanas atrás. A minha escola, pensou. Levantou-se, vestiu-se, degustou deliciada o manjar matinal que habitualmente a mãe lhe preparava, com a não menos habitual sofreguidão, e despediu-se dela com um aceno efusivo e determinado. Para além de iniciar a sua vida académica, iniciava também a sua mobilidade escolar autonomamente, calcorreando alegremente, e sozinha, os quinhentos metros que a separavam do recinto do agrupamento. Muitas coisas iriam mudar. Muitas coisas iria aprender. Muitas novas amizades iria fazer. Estava verdadeiramente feliz. A mãe cuidava que tudo se iria compor, este ano, na escola. Contava-se que, e isto apesar da educação ser considerada um dos pilares estruturais fundamentais para a sustentabilidade, progresso, evolução e consolidação de um país, devido a politiquices não muito bem explicadas, a escola tinha perdido o seu brilho interior e anterior: havia menos professores, e qualificados, menos funcionários, menos meninos, menos qualidade de ensino e de infra-estruturas/equipamentos de apoio, alimentação nutricionalmente deficiente e desequilibrada, etc. Na realidade, a mãe da pequena não sabia muito bem o que esperar do novo ano lectivo, mas mantinha a fé e a esperança de que algo iria mudar. Para melhor. As preocupações, quer de pais, quer de alunos, com as suas escolas é perfeitamente natural. Faz parte das escolhas decisivas que se fazem na vida e, portanto, têm de ser ponderadas com calma e tempo e devidamente analisadas e interiorizadas. A rotina familiar muda drasticamente. A gestão das expectativas de crianças e adultos é, por isso, determinada pela urgência do assunto. O espírito crítico construtivo é, consequentemente, fulcral. Assim, quer-se crer que nem a mãe, nem a pequena se sentirão desiludidas quando o dia cair e a noite surgir. Tudo e todos encontrarão os seus delicados equilíbrios e o rumo certo será retomado, recuperando-se pois a senda mágica do conhecimento e da iluminura. A minha escola o faz. A minha escola, decerto, o reforçará. Em espaços bem diferentes, os pensamentos comuns fizeram sorrir ambas.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub