Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Justiça

Justiça. Equidade. Será realmente possível dissertar sobre justiça? Verdadeiramente? Numa abordagem primitiva e puramente leiga, arriscamos palavras conjugadas, numa pseudo análise abstracta e divergente. Na realidade, invariavelmente, o mundo, a vida, são caracterizados pela premente e inequívoca sensação castradora de que a justiça só se faz para alguns ou não se faz de todo. Nas suas perspectivas diferenciais existencialistas, a justiça carece de enquadramento, devidamente contextualizado, para reverter razão consequente e compreensível, decorrente de acções sequenciais que culminem na mobilização do senso generalizado, adequando leis costumes, tradições, cultura, às diversas realidades sociais e civilizacionais. A aplicação destas linhas orientadoras, descritivas de um conjunto elaborado de regras verificáveis e sentenciadoras, traduz a ordem, a segurança e a confiança natural e expectavelmente associadas ao sistema. Profeticamente, a justiça espera-se célere; só assim prossegue positiva e efectivamente os seus propósitos. A justiça é de todos e para todos. A descrença crescente, quanto aos fundamentos factuais, reais e realizáveis da justiça, prende-se com a contínua tendência para o desvirtuar incólume de princípios básicos de funcionamento generalizado de instituições e dos seus respectivos representantes, olvidando-se a necessidade escrupulosa de imparcialidade concisa e observável, na aplicação dos mandamentos jurídicos empregáveis. Assim, o que se espera e o que acontece, antagonizam situacionalmente posicionamentos, drástica e dramaticamente, oponentes. Esta percepção, que se esperaria enviesada, é consistente com a idealização cultural e histórica de uma justiça ineficiente e ineficaz, na sua aplicabilidade última. Dificilmente, as transformações visíveis se afigurarão no presente, mas os agentes da mudança estão a trabalhar nesse sentido e, com um pouco de paciência, resiliência, perseverança e tenacidade, a médio/longo prazo, talvez, possamos, com convicção, falar de justiça efectiva. Justiça. Equidade.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub