Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A História Perdida de Todos Nós

A explosão intensa desintegrara em larga escala o pavilhão de estrutura atomicista e as pessoas, em redor, movimentavam-se desorientadas e fustigadas pela nuvem de fumo que as envolvia e pela onda de impacto da deslocação veloz do ar arrastado. Havia sido perdido o contacto. O contacto com o mundo exterior. O portal fora destruído num acesso de raiva descontrolado do criador e empreendedor do projecto. A vida começara a passar-lhe ao lado e ele quisera desistir dela, terminando o que há tão pouco tempo tinha começado, a sério. O experimentalismo subsistia há eternidades, mas, só nesta linha temporal limitada, tinha conseguido conectar-se ao mundo para lá do nosso. Aquela porta para o mundo exterior das histórias interiores de todos nós, tornara-se, no entanto, um perigo e ele apercebera-se disso. Todos queriam conhecer a sua própria história perdida, na esperança de recuperarem algo que, na realidade, jamais existiu, uma vez que não é possível cruzar os destinos do universo paralelo com os destinos do universo real. Temos de vivê-los separadamente. Assim, o empreendimento era um pesadelo também para ele, uma vez que ele próprio nunca conseguiria reencontrar a sua história perdida. E foi aí, nesse dia fatídico em que descobriu a irracionalidade e o surreal de tudo aquilo, que desistiu. Acumulou a energia da luta interior meretriz e descarregou-a no mundo. Anos de pesquisa deitados fora e o resultado, testado temporariamente, tão débil e ainda sem solidez suficiente para invadir os anais aceites da ciência iluminada, desperdiçado. Sem dúvida, havia-se precipitado estupidamente. Agora, jamais alcançaria a glória e a imortalidade. A história perdida de todos nós havia-se definitivamente desvanecido por causa de uma emoção temperamental negativa insignificante, quando comparada com o bem que se podia trazer à civilização tão carente de histórias, de passado, de entendimento, de um porto mais seguro que o presente. Não restou nada. Tudo se perdeu. Tudo se esfumou. Tudo se esqueceu. E as histórias perdidas esqueceram-se. É por isso, que ainda hoje, tentamos agarrar-nos às nossas memórias com tanto afinco. Para não esquecermos as novas histórias e não as perdermos também.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub