Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A História de um Leigo

Quando sentiu o impacto, desmaiou. Apagou as memórias e o ser. A recuperação revelava-se uma frustrante incógnita e só o tempo permitiria sonhar de novo com o seu eu passado. O presente acontecia, mas a realidade era outra. O conhecimento absorvido, diziam, era fabuloso, único, extensível a diversas áreas e temáticas, no entanto, agora, sentia-se vazio de tudo. O saber fluíra para zonas ocultas, dispersas, longínquas e o vazio abarcava, cada vez mais, a sua mente cansada. Sentia-se perdido. Conhecia o que era normal e simples, esquecera o complexo, o saber, a bagagem neural de uma vida preenchida. Agora, era leigo. Em tudo. Apenas mecanizava, diariamente, a rotina da satisfação das necessidades básicas. Estava triste, infeliz. Não sabia saber. Os médicos pronunciavam-se optimisticamente, mas ele não se sentia a voltar a si. Era um estranho. Um desconhecido de si mesmo. Olhava a rua, pela janela prisioneira, e pensava como seria voltar a ser quem era. O leigo de tudo queria fugir, deixar aquele corpo e absorver a razão. Muitos dias e semanas e meses e anos se passaram. A vida passou. Envelheceu. Sofreu calado. Nunca recuperou o seu eu. Nunca deixou de ser leigo até que... Um certo dia, despertou, abriu os olhos e estava diferente. Tinha um mar de gente em seu redor, aguardando o milagre ou o renascer da esperança na ciência inexplicável. Forçou-se a pensar, forçou-se a deixar de viver na apatia do desconhecimento e da irrazoabilidade, mas, nada aconteceu. A mente continuava vazia. A diferença residia tão somente em ter acordado no lado bom do céu. O lado branco, pacífico e feliz, alguém lhe disse. O leigo continuaria leigo, mas no céu, já não na terra. As histórias nem sempre têm um final. Nem sempre têm um final feliz. Nem sempre acontecem. Nem sempre são belas e lineares, por isso mesmo, são histórias. Apenas histórias.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub