Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Fada do Adeus

Alguém ainda acredita em fadas? As crianças que, supostamente, algures bem lá no fundinho, abafadas pelo ser adulto, ainda existem em nós? Sobranceiramente, a essência das fadas quer espreitar sob o véu velado do subconsciente consciente e segredar-nos ao ouvido interno que não faz mal acreditar. Há fadas de todos os tipos e para todas as ocasiões, mas a Fada do Adeus é muito especial. Só visita os puros de coração e os puros de coração são cada vez mais raros. Já não se reconhecem apenas num vislumbre e as fadas ficam confusas, perdem as suas referências e não os conseguem captar. Um Adeus é algo de muito poderoso e mexe com as emoções complicadíssimas de crianças e adultos. Seja um Adeus temporário ou definitivo, real ou fictício, improvisado ou meticulosamente planeado, a rudez e a brutalidade dos impactos nos que nele estão envolvidos, condiciona e canaliza a inteligência emocional para estados de alma duvidosos. Por vezes, um Adeus pode revelar-se positivamente. Pode libertar os grilhões que aprisionam o corpo e a mente, pode salvar vidas, pode espantar fantasmas, pode elevar o melhor de cada um. Assim, a Fada do Adeus tem um papel preponderante na guidance do sentir e a perspicácia é implícita na roda viva de patamares emocionais que vão sendo vivenciados e experimentados pelos intervenientes nos processos motivacionais que vai observando. Apesar de parecer uma análise de racionalismo extremado, a sensibilidade, o bom senso e a ponderação da Fada do Adeus melhoram indiscutivelmente o bem-estar de todos quantos têm a sorte de se cruzar na sua senda centenária. Aquele sopro discreto nas faces e o empurrão, por vezes, um tanto ou quanto atabalhoado e incompreendido com que nos incita, é, no entanto, o impulso expedito que nos faz querer ser melhor e ir mais além. Acreditemos, por isso, nas fadas e na sua magia. Ou na nossa. Que existe. Basta acreditarmos nela.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D