Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Estalagem das Hortênsias

O tronco de madeira de cedro sabiamente trabalhado, conjugado com um ramo de três perfeitas hortênsias azuis, reforçando a curiosa e original decoração da entrada, anunciava a estalagem. O tempo passou pela velha estalagem e apenas ficou a nostalgia de outras épocas e histórias antigas. Ao longe, o palacete enchia a vista com a sua extensa linha arquitectónica sensorial. Os cheiros eram intensos, ao longo do caminho percorrido, e o túnel de cedros, composto, lateralmente, pelas profusas e radiantes plantas arbustivas, originárias da China e do Japão, completava a tentativa falhada de retorno às verdadeiras raízes ancestrais do casario imaculado que compunha a estalagem. As hortênsias chegaram com a família estrangeira. Sabia-se que a estalagem tinha sido comprada, havia anos imprecisos, por um desconhecido abastado que operara intrincadas mudanças no cenário natural envolvente. A introdução das hortênsias fora uma exigência não negociável. Segundo contam os locais, o desconhecido teimara na plantação desalmada de hortênsias cor-de-rosa, mas o solo, mais acidificado, obstinava em fazer crescer hortênsias azuis e lilases. Assim, foi o cabo dos tormentos para conseguir recuperar os pequenos pés brancos e rosa. As hortênsias, é sabido, simbolizam obstinação, capricho, frieza e indiferença. O desconhecido, na realidade, era conhecido por todas estas e ainda outras características comportamentais e emocionais devotas e exuberantes e esta compulsiva obsessão pelas hortênsias rosa, que os mal dizentes associavam a vaidade pura, enchia de pesadelos as mentes simples e ignorantes daqueles cujas vidas se cruzavam inicialmente com o misterioso patriarca. Mais tarde, tudo se compôs e as gentes interiorizaram os bons valores e princípios do desconhecido (re)conhecido. A explicação de toda esta confusão relacional era aparentemente justificada, no entanto, parecia reinar por ali, naquela estalagem invadida por hortênsias e por estrangeiros desconhecidos, de fisionomia pautada por exotismo oriental, um equilíbrio e uma harmonia irrepreensíveis. Assim, e apesar de todos os receios, o gentio comunitário era mesmo feliz. A alegria voltara aquelas terras e a cor também. E quem por ali passa, ainda hoje, dormita ou visita os jardins, inspira esta ambiência exótica e esta inusitada sensação de envoltura perfumada, ainda que desconcertante por se estranhar aquele cenário, que abarca os sentidos e refresca o sentir da alma mais desconfiada.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub