Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Crise Turca

Assistimos, todos os dias, a mudanças políticas com uma radicalidade impensável, há algum tempo atrás. O inesperado é uma constante e a estupefacção incrédula, uma realidade comprovada. O governo mundial era exercido com discrição, mas, ainda assim, parecia ter alguma vigilância controladora, mais ou menos minuciosa, sobre os acontecimentos e governações nacionais, mais ou menos ditatoriais ou democratizadas. O equilíbrio pensado, quase perfeito, desequilibrou, portanto, e a political network influenciadora, as redes de backup e sustentação deste debilitante equilíbrio fictício, quebraram algures. A manta de retalhos é tal, neste momento, que as lacunas por preencher começam a não ter viabilidade de retorno real à normalidade, ainda que precária, e que rotinava naturalmente, no passado presente. Parece que o mundo entrou em convulsão generalizada e descontrolada e que não há mão visível ou invisível que nos valha neste marasmo civilizacional. As culturas tão diferenciadas e a veemente heterogeneidade social, económica, financeira e política transbordam nas media news que nos vão deixando desalentados quanto a um futuro pacífico e civilizacionalmente sustentável. A crise turca é, apenas, mais um desses focos paralelos que fazem parte do puzzle global e globalizante das crises mundiais que ocorrem, um pouco por todo o lado, neste preciso momento. África, Ásia, Europa, Estados Unidos, enfrentam um precedente sem igual. O terrorismo está mais arrojado e criativo, o poder político mais focalizado nas suas questões pessoais e na dinamização de políticas que ferem o conceito de liberdade e os direitos humanos a tantos e variados níveis, a concertação mundial que se aparta de acordo com interesses económicos e financeiros, a humanidade e os espíritos humanitário, social e civilizacional que se estão a perder, os princípios e os valores pessoais e sociais que se estão a esquecer. Assim, e tendo em conta o contexto actual, não se compreende o espanto ou a surpresa da comunidade mundial, perante a cada vez mais frequente e intensa onda de tomada de posições radicais ou extremistas. Apesar de estarmos na era moderna, é impensável e incompreensível continuarmos a ter os níveis de pobreza, de miséria humana e os conflitos bélicos que temos. Obviamente, um regime igualitário que abrangesse toda a população mundial seria o ideal mais interessante, mas, comprovadamente, é uma utopia, no entanto, há mínimos que parecem ser potencialmente alcançáveis. Caminhamos todos apenas para a frente, sem saber muito bem para quê ou porquê, mas sem união e sem o tal propósito comum, enquanto espécie. É difícil, por isso, termos esperança num futuro promissor e duradouro. E a realidade, cada vez mais, tem vindo a demonstrar isso mesmo. Para mal dos nossos pecados.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D