Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Crise do Existir

Por certo, já todos (ou quase todos) se interrogaram sobre o vosso parco e insignificante processo existencialista. Ou, talvez não. De parco, nada tem, e de insignificante, muito menos. De qualquer forma, ainda que por breves instantes desacreditados e fugidios, e especialmente em situações de perigosidade dolorosa, se terão questionado do porquê de tais acontecimentos inexplicáveis e tão sofridos. A crise do existir é uma fatalidade, inevitável e consequente de todo um esquema sequencial que nos é imposto desde o primeiro dia de pensamento sensorial humano. Quem somos? De onde viemos? Porque somos assim? Para onde vamos? O que fazemos aqui? A questão que se coloca é: como vamos enfrentar este grande desafio? Subjugando-nos ao que é expectável que seja a nossa vidinha de montante a jusante, submissos, acalentadores de esperanças desesperadas vãs, mudos e quedos a tudo e todos, numa linearidade contida e propensa à exploração imaterial e rotineira ou, revelando a nossa essência divergente, criativa, brilhante, iluminada, promissora, exuberante, exótica e futurista? A alegria do ser, a felicidade do existir, o amor de condição incondicional, o verdadeiro, aquele que não é alienígena, que é vivido e sentido, tudo converge e transpõe as barreiras da crise do existir, cuidando que a força interior se sobreponha ao embrenhar imprevisível das fronteiras sociais do humano desumano. As falas intrínsecas escutam-se com contenção, mas, ainda assim, desterram a crise do existir. Os actos demasiado pensados são limitadores de propensões despedaçadas, mas deixam de se sentir na pele, porque o sonho nivelado já não existe e as fantasias de outrora sugam as energias, há muito extintas, dos planadores mentais que algures, num tempo ausente, encheram de fé a alma humanizada pelas estrelas. Não falemos, pois, do tabu da crise do existir. Celebremos as coisas simples e boas, verdadeiramente boas, do nosso parco e insignificante processo existencialista.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub