Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Conturbada Clausura da Identidade

A máquina fechada aprende maneiras incógnitas de uma humanidade ficcional. A humanidade partiu há muito e as gerações findaram. A realidade demonstra que a natureza, em toda a sua plenitude e formosura, encontrou estratégias felizes que permitiram, temporariamente, ultrapassar as resistências de uma clausura imposta. Na verdade, ainda que inconveniente no seu pragmatismo, a identidade recriada por uma humanidade esquecida de si, eleva o momento mais recôndito da imaturidade crítica a um estado supremo de reencontro com a vivência interior apreendida. Certo é que, apesar das reservas e dúvidas consecutivas, alheadas do ritmo biológico natural, a humanidade completa e define uma identidade facilitadora que culmina numa aventura contínua dos sentidos transpostos. Assim, a conturbada clausura da identidade, imaculada na sua proveniência profética, conduz o elitismo desmesurado ilusório a um abismo monumental que reverte o processo primário de atribuição de conduta estática na linha de montagem ineficiente da escola mundana humana. O que somos? Quem somos? Como somos? O que queremos? Aos olhos dos outros o facilitismo da esperança reduz-se num ápice, imediatamente após o momento do nascimento. As dificuldades incontornáveis reforçadas na cadeia sucessória de acontecimentos humanos, reprime a liberdade da identidade individual e fomenta uma experimentação existencialista social determinada e determinante. É pois compreensível, a questão premente sobre a identidade e a sua expressão universal. O individualismo é castrado e encerrado em si mesmo. O social exprime vontade incontestada. Perde-se, pois, a identidade individual e a diversificação mais enriquecedora da humanidade. A criatividade e a inovação são contidas e o avanço regrado. A mudança é reprimida e as mentes fecham. Identidade nova precisa-se. O futuro é incerto sem liberdade.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub