Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Espaços Incompletos

A ovação culminara numa sensação de brandura perdida, conjugada com a infantilidade da inteligência emocional repetitiva e consistente. O espaço era invasivo e grandioso. Os cantos contados, inexistentes ou surreais, e as paredes, janelas e portas desprovidas de senso estético e de magia pedante. A estrada erguia-se num alto. O ponto baixo era espacialmente inconsistente e a inglória bifurcação, comprometia os sentidos. Os espaços incompletos regravam as ondas gravitacionais irreais e embelezavam a estepe e a crioula cantaria. A mistura exuberante, que alternava entre contemporâneo e clássico, de arquitecturas volantes falsas e extemporâneas, cadenciava os ritmos da movida intrépida que se deleitava com a visão futurista da complementaridade dos espaços imperfeitos desenhados pelos artistas funcionais daquele tempo ausente que chegou por fim. Buracos aqui e ali. Extensões crescentes ou fraccionadas. Visões transcendentes e culminantes. Modelos incógnitos e maquetes gráficas colaterais. Havia um incompletamente burocrático figurado e metafórico, num tempo espacial de falácias incrementadas pela ofuscação da beleza astral extra-terrena. A corrida virtual bebia os vícios saudáveis da ancestralidade potenciada. Os mundos colidiam, num achamento sequencial de códigos científicos imaculadamente virtuosos e intocáveis. A espécie encantou o destino e determinou o futuro. Não mais os espaços incompletos reprimiriam estados, emoções e comportamentos. Na realidade, tal não era possível. A imaginação flexível humana voava demasiado alto para que se esperasse um retrocesso bíblico. Escutar os sábios, sonhar ainda, viver mais, morrer, só depois. Preencher os vazios. Preencher a alma. Preencher o coração. Preencher os espaços. Incompletos, só no olhar.

Biologists are Close to Reinventing the Genetic Code of Life

The term "life hacking" usually refers to clever tweaks that make your life more productive. But this week in Science, a team of scientists comes a step closer to the literal meaning: hacking the machinery of life itself. They have designed—though not completely assembled—a synthetic Escherichia coli genome that could use a protein-coding scheme different from the one employed by all known life. Requiring a staggering 62,000 DNA changes, the finished genome would be the most complicated genetic engineering feat so far. E. colirunning this rewritten genome could become a new workhorse for laboratory experiments and a factory for new industrial chemicals, its creators predict.

by John Bohannon, read more in www.sciencemag.org

 

As Empresas Mais “Inteligentes” de 2016

As 50 empresas mais “inteligentes” de 2016, com base nas novas oportunidades, já são conhecidas. Anualmente o MIT Technology Review seleciona as 50 empresas mais “inteligentes”. Algumas das empresas escolhidas são as grandes companhias que utilizam as tecnologias digitais para redefinir as indústrias. Outras estão ainda a adaptar-se às alterações tecnológicas.

ler mais em inforh.pt

Avoiding Micromanagement

You've assigned an important task to a talented employee, and given him a deadline. Now, do you let him do his work and simply touch base with him at pre-defined points along the way – or do you keep dropping by his desk and sending e-mails to check his progress?

read more in www.mindtools.com

Permacultura

O homem do Neolítico teve a ideia de cultivar os seus cereais e revolucionou a forma como as sociedades humanas se desenvolveram. Hoje, tudo mudou, A agricultura que se faz esgota recursos e polui o planeta. Reaprender a mexer na terra é a nova revolução.

ler mais em ensina.rtp.pt

Bairros Populares de Lisboa

Com um total de 35 episódios exibidos no período 1989-1991, BAIRROS POPULARES DE LISBOA é uma série documental dedicada à cidade de Lisboa, através dum olhar sobre as origens e a história dos seus bairros populares. Da Baixa Pombalina às Amoreiras, passando por Alfama e pela Madragoa, são revisitados os momentos mais marcantes no passado de cada local, o seu património arquitetónico, a sua herança cultural.

ler e ver mais em www.rtp.pt/arquivo

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub