Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Verão nas Alturas

Tendencialmente associa-se, com benévola saudade estival, o Verão a praia. Água azul turquês, areia escaldante e cetinosa, ondas flat q.b., desportos aquáticos radicais, bebidas exóticas efusivas, biniquis xxxsl e calções de design palmeirista. Esquece-se, no fundo das emoções gélidas do Inverno, no baú do inconseguimento, tudo o resto. E o resto tem que se lhe diga. A cadência dos actos naturais endémicos, renasce e revitaliza-se no não ermo exuberante das verdejantes cadeias montanhosas que sulcam, aqui e ali, o povoamento estonteantemente belo que se arquitecta, com harmonia perfeita, por vales e recantos daqueles sagrados santuários naturais. A estrada circunda, serpenteia, sobe, desce, decliva, inclina, mexe e remexe numa gincana de atrevimentos rurais, por vezes, rudes e agrestes, outras vezes, verdadeiramente deliciosos e deslumbrantes no observatório viral da visão. A altura é considerável. Os planaltos existentes são envergonhados e discretos. As rectas difíceis de encontrar. Perfila-se um encadeamento vertical profuso. Espreguiçar sabe bem. Olhar o céu e fantasiar formas nas nuvens, embala o espírito olvidado nos encaminhamentos de magia, abundantes em frescura desmesurada e entorpecidos nas ilusões viscerais apartadas dos caminhos cruzados por tantos estranhos e hasteados por tantas nuances de verdura arbustal entrelaçada nos nós dos troncos de filigrana requintada. A fauna integra-se na paisagem e resguarda-se nos cenários idílicos. Uns, endémicos, outros artificializados ou importados, mas todos na paz gloriosa do silêncio abismal deste verde vivo e imaculado. Subir a telhados é impossível. Fechar-se na redoma urbana, improvável. Escutar os sons da natureza, um privilégio. A gastronomia deleitosa, no prato de barro, reflecte o antigamente do pão de aldeia comunitária. Prazeroso, é simplesmente estar à beira ribeiro sentados, nas mesinhas de carvalho do piquenique da nossa infância, elevando-se a sensação de alcance divino. Assim é, no Verão nas alturas. A lonjura do céu aperta de mansinho e a terra substitui o mar, o verde, o azul e a brisa perfumada da montanha, a marítima. Fechar os olhos e deixar os sentidos flutuarem num mix experimentalista de novas sensações e extrema felicidade terrena, recomenda-se. Sem dúvida.

Reserva Natural das Ilhas Desertas - Madeira

A Reserva Natural das Ilhas Desertas tem uma área total de 12586 hectares, é delimitada pela batimétrica dos 100 metros e inclui todas as ilhas e ilhéus. Através do estatuto de proteção total são resguardados os ecossistemas de toda a área terrestre (Ilhéu Chão, Deserta Grande, Bugio e ilhéus adjacentes) e toda a área marinha adjacente, localizada a sul da Ponta da Doca a Oeste e da Ponta da Fajã Grande a este. Toda a área marinha adjacente, a norte dos locais anteriormente mencionados integra uma área de proteção parcial.

Recebeu o Diploma Europeu do Conselho da Europa para as áreas Protegidas em março de 2014.

As Ilhas Desertas compreendem três ilhas: Ilhéu Chão, Deserta Grande e Bugio.

ver mais em www.pnm.pt

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub