Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Ser ou Não Ser

A questão é profundamente pertinente e já leva uns quantos milhares de anos de análise filosófica, antropológica e sociológica. As lógicas são sempre interessantes, mas, muito raramente as compreendemos na sua estruturação argumentativa e contextualizante, porque, sejamos pragmáticos, nunca verdadeiramente as vivenciamos no seu sentido prático realista. Em boa verdade, se formos o que somos, realmente seremos, no mínimo, consumidos por estereótipos, estigmas, dúvidas existencialistas, paradigmas e mitos urbanos, descriminações perversas, ostracismo venturoso e castração social. Por muito que a espécie humana esteja suficientemente amadurecida e de “mente aberta” para acalentar novos e inovadores desígnios experimentalistas dos seus e dos outros, o conservadorismo funciona ainda como uma segurança cuja abertura do trinco intrincado subsiste para além do pensamento puramente terreno. Assim, torna-se muito mais fácil e apetecível não sermos o que somos, porque ajustamos a camuflagem temporária dos comportamentos aos padrões existencialistas standard exigidos e determinados pela conduta requerida da civilização que é projectada, desde o útero, e condicionada pelo enquadramento dos limites estabelecidos por credos, doutrinas, dogmas, orientações sociais e liberdades que se querem não tão libertadoras quanto seria expectável. O mundo centra-se nestas máximas e as lendas fictícias ganham vida em universos paralelos. A relativização da problemática aborda medos e fobias de dinâmica incontrolável. Ser ou não ser não é o cerne da verdadeira questão. Esta consiste sim, na significância da atribuição que fazemos aos actos, atitudes, comportamentos, princípios, valores, missões e visões. É uma significação única e distinta. Individualizada, portanto. Seremos, pois, capazes de a extrapolar para o colectivo desconhecido?

Uma Base Lunar?

Depois da corrida espacial à Lua, disputada pelos Estados Unidos e a União Soviética, durante os anos 1960, poucas notícias deram conta de tornar a ver o homem na Lua. Mas isso está prestes a mudar, pois a Rússia está a produzir uma sonda com a ESA, a capsula Orion da NASA poderá sobrevoar a Lua antes de 2020 e a China está a planear uma missão de exploração da superfície lunar. A Agência Espacial Europeia tem também planos para construir uma base na Lua...

por Rui Parreira, querosaber.sapo.pt (excerto)

Parque Natural da Arrábida

Assente na cadeia montanhosa da Arrábida e área marítima adjacente, o Parque Natural da Arrábida (PNArr), ocupa uma superfície de aproximadamente 17 mil ha, dos quais mais de 5 mil são de superfície marinha, abrangendo território pertencente aos concelhos de Palmela, Sesimbra e Setúbal.

in www.icnf.pt/portal/ap/p-nat/pnar

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub