Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

A Esquina do Desencontro

Histórias de Desencontros Ficcionais (ou Não) na Esquina da Vida

Optimismo na Cartola

O mágico estava disparatadamente nervoso, olhando resguardado o público, atrás da cortina aveludada que escondia a sua esbelta, mas discreta e ausente figura. Sabia que aquele público de lunáticos extra-terrenos era difícil de entreter, uma provação portanto, e contido na extravasão das emoções mais primitivas. Alguém lhe tinha pedido um espectáculo muito especial, condicionado por requisitos limitativos intimidatórios, há cerca de três semanas. O mágico retraiu-se, por secretamente duvidar da sua capacidade ilusória para iludir aquele tal público copioso e palavreador. É que os lunáticos extra-terrenos, aqueles seres de galáxias bem distantes, têm de acreditar na magia. E só acredita na magia, quem abre o seu coração e sonha. Mirando a mirabolante plateia, de modo algum sustentava o sucesso futuro da sua apresentação. Mas, sabia, não havia volta a dar, pelo que deixou-se levar pelo ambiente exótico e acreditou que os mágicos de outrora estariam em concertação para o protegerem e incentivarem. O rufar dos tambores soou e as cortinas foram afastadas. O mágico sentiu-se sozinho. Demasiado e, estranhamente, sozinho. O seu público, aquela plateia locupletada, talvez, quem sabe, por artes mágicas, evaporara-se. Não havia viva alma para amostra. O silêncio era ensurdecedor. A salva de palmas inexistente. Os corpos invisíveis. Atónito, o mágico percorreu os quatro cantos do palco, avistou o céu imaginário, reviu o horizonte limitado, prostrou-se, enfim, desiludido, no soalho de madeira encerado do grande palco. O teletransporte dos lunáticos extra-terrenos, afinal, funciona. Tirou a sua cartola. Abandonou o estado letárgico de espanto feito e entregou-se ao surrealismo do momento. Enfiou as duas mãos na cartola e, com a sua habilidade característica, mas modesta e humilde, retirou o optimismo da cartola e deixou cair o seu manto sobre si. As energias renovaram-se, a alma encheu-se e o coração reacendeu. Haveria espectáculo. O espectáculo de magia do mágico com optimismo na cartola, sem público.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub